Após perder coroa de Miss Califórnia, hispânica processa organização por racismo

LOS ANGELES - A hispânica que venceu o concurso de Miss Califórnia, mas teve sua coroa revogada dias depois, decidiu processar os organizadores do concurso alegando preconceito racial e falsificação.

AP |

O diretor do concurso negou as acusações na quinta-feira, dizendo que sob seu comando o concurso teve mais vencedoras racialmente diversificadas do que nunca.

AP
gabi
Christina processou os organizadores do
concurso alegando preconceito
Christina Silva, 24, foi coroada Miss Califórnia no dia 25 de novembro. Três dias depois, o diretor executivo do concurso, Keith Lewis, disse "houve um erro e você não é a vencedora", de acordo com o processo movido na Corte Superior.

Raquel Beezley, 21, foi coroada na sequência.

Silva é descendente de mexicanos e equatorianos. O processo diz que Lewis estava "desconfortável com o fato de Silva falar em espanhol com algumas pessoas; ele sentia que isso poderia mudar a idéia do concurso e que algumas garotas 'inteiramente americanas' não gostariam mais de concorrer ao posto nos próximos anos".

Silva diz que Lewis, o concurso, a produtora responsável pelo evento (K2) e a Organização Miss Universo se envolveram em fraude, negligência, quebra de contrato e imposição de sofrimento emocional, entre outras acusações.

Lewis disse à Associated Press que as acusações de preconceito racial são infundadas.

"Durante meu mandato eu elegi três vencedoras", disse Lewis. "Duas eram negras, duas de quatro na história do concurso. A Miss Califórnia atual é 25% filipina", disse Lewis, ao falar sobre Beezley. "Eu acredito que meu histórico fala por si mesmo".

A porta-voz da Organização Miss Universo se recusou a comentar o assunto.

    Leia tudo sobre: miss

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG