Por Nick Tattersall e Ibrahim Mshelizza MAIDUGURI, Nigéria (Reuters) - Os líderes religiosos do norte da Nigéria vão examinar os clérigos islâmicos com mais cuidado, a fim de evitar a repetição da violência sectária que matou quase 800 pessoas, informaram autoridades na segunda-feira.

O governador do Estado de Borno, Ali Modu Sheriff, disse numa reunião de líderes religiosos e tradicionais que o monitoramento frouxo permitiu que o pregador radical Mohammed Yusuf, cuja seita Boko Haram protagonizou uma revolta de cinco dias na semana passada, conquistasse um grupo de adeptos.

"Um conselho será reconstituído a fim de garantir que apenas clérigos qualificados e confiáveis tenham autorização para pregar nas mesquitas e em outros locais", disse Sheriff durante a reunião na capital do Estado, Maiduguri.

"É de se lamentar que a lei existente não tenha sido colocada em prática. Essa frouxidão foi o que permitiu Mohammed Yusuf conduzir esse tipo de sermão e fomentar o problema sem ser advertido."

Na semana passada, os tiroteios duraram dias enquanto as forças de segurança tentavam controlar a insurgência dos membros do Boko Haram, seita militante que quer a imposição da sharia (lei islâmica) de forma mais ampla no país mais populoso da África.

A Cruz Vermelha disse que perto de 800 pessoas foram mortas enquanto as forças de segurança tentavam conter os membros da seita, que atacaram prédios do governo, delegacias de polícia, escolas e igrejas.

Os seguidores do Boko Haram -- que significa "A educação ocidental é pecaminosa" no idioma hauçá, falado no norte da Nigéria -- rezam em mesquitas separadas e usam longas barbas e turbantes.

Inspirados no movimento Taliban, do Afeganistão, seus pontos de vista não encontram apoio entre a maioria da população muçulmana da Nigéria, a maior da África subsaariana. Tanto muçulmanos como cristãos foram mortos e tiveram danos materiais durante o levante.

"Ninguém apóia o que aconteceu", disse à Reuters o imã-chefe interino do Estado de Borno, Zannah Laisu Imam, acrescentando que líderes islâmicos e acadêmicos comporiam o conselho.

"Qualquer pessoa que queira pregar será entrevistada por eles, para que avaliem o conhecimento dele e saibam como ou o que ele falará durante a pregação," afirmou ele.

O presidente Umaru Yar'Adua disse que as agências de segurança monitoraram Boko Haram por anos. Alguns analistas dizem que o fato de a inteligência aparentemente não ter agido sugere que determinados membros da seita podem ter sido protegidos por suas relações com famílias poderosas da elite do norte da Nigéria.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.