Após grampos, Reino Unido envia a regulador oferta da News Corp. por TV

Medida prorroga por vários meses decisão final sobre aquisição de BSkyB por empresa de Murdoch, cujo tabloide é pivô de escândalo de escutas ilegais

iG São Paulo |

O governo britânico remeteu a oferta da News Corp. pela TV British Sky Broadcasting - a BSkyB , a maior plataforma de televisão por satélite britânica - a autoridades de concorrência para que seja revista, prorrogando por vários meses a decisão final sobre a questão.

O anúncio desta segunda-feira do secretário de Cultura britânico, Jeremy Hunt, foi feito depois de a News Corp. retirar as concessões feitas ao governo britânico na época de sua oferta para comprar a BSkyB (subsidiária britânica da operadora de TV por assinatura Sky), anunciou a empresa em um comunicado. A News Corp já possui cerca de 39% da empresa e tem tentado há mais de um ano adquirir o restante. "A News Corporation anuncia que retira suas garantias propostas", disse o grupo, em uma tentativa de facilitar a aprovação da compra da BSkyB.

AFP
O dono da News Corp., Rupert Murdoch, deixa sua casa em Londres
A Comissão de Concorrência do Reino Unido agora tem de fazer uma investigação em larga escala sobre se a tomada de controle quebraria leis antimonopólio.

A News Corp. agiu enquanto o governo enfrenta uma intensa pressão para bloquear o negócio depois das revelações de grampos ilegais por parte do tabloide sensacionalista britânico News of the World , cuja último edição que circulou no domingo . O News of the World pertencia à News Corp., do qual o magnata australiano Rupert Murdoch é dono.

Previamente, alguns analistas em Londres indicaram que a oferta de controle estava quase morta. "É improvável que a aprovação poderia ser dada até que a investigação criminal sobre as escutas e os subsequentes inquéritos públicos estivessem completos, o que poderia levar anos", disse Sam Hart, um analista da Charles Stanley.

Um fracasso em fechar a oferta de US$ 11,9 bilhões representaria uma grande derrota para Murdoch, que construiu um império midiático global em quatro décadas.

Previamente ao anúncio do Ministério da Cultura britânico e da decisão da News Corp. de retirar as concessões, o vice primeiro-ministro do Reino Unido, Nick Clegg, fez um apelo para que Murdoch desista de comprar a BSKyb .

Clegg disse que, por causa do escândalo, Murdoch deve "agir de forma decente e sensível" e reconsiderar o negócio.

O vice-premiê fez a declaração após um encontro com a família de Milly Dowler , uma menina de 13 anos vítima de assassinato que teve seu telefone grampeado pelo News of the World em 2002. Foi a maior autoridade britânica até agora a se posicionar contra a compra da BSKyb por Murdoch.

No domingo, o líder do Partido Trabalhista (oposição), Ed Milliband, disse que pressionará o Parlamento britânico a tentar adiar a proposta de Murdoch até que as investigações sobre o News of the World sejam concluídas.

*Com AP e BBC

    Leia tudo sobre: camerongrã-bretanhanews of the worldgramposmurdoch

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG