Após escândalo envolvendo amante de esposa, líder da Irlanda do Norte tira licença

O chefe do governo regional da Irlanda do Norte, Peter Robinson, pediu nesta segunda-feira uma licença de seis semanas enquanto a polícia investiga um escândalo sexual envolvendo sua mulher, disse o presidente da Assembleia norte-irlandesa, William Hay. O escândalo ameaça o sistema de compartilhamento de poder da província.

iG São Paulo |

Durante o período de afastamento, Robinson será substituído pela ministra de Empresas, Arlene Foster, também do protestante Partido Unionista Democrata (DUP, na sigla em inglês).

AFP
Robinson e Iris

Robinson e Iris

Na semana passada, Iris Robinson, uma deputada na província britânica semiautônoma, admitiu ter tido há dois anos um caso com o jovem Kirk McCambley, de 21 anos, e de ter usado US$ 80 mil em fundos públicos para ajudá-lo a abrir um café.

Com 60 anos, Iris, que reconheceu ter tentado suicídio no ano passado e sofrer de depressão profunda, está sob tratamento psiquiátrico em Belfast.

Robinson prometeu limpar seu nome e, na semana passada, concordou com uma investigação para descobrir se ele descumpriu qualquer regra sobre financiamentos, mas nega ter tido qualquer conhecimento dos negócios irregulares da mulher.

Pouco antes do inesperado anúncio, membros do DUP haviam dado um voto de confiança ao chefe de governo, pressionado a renunciar na semana passada por causa do escândalo.

Os pedidos para que o líder pró-Grã-Bretanha deixasse o governo aumentaram no domingo (10). Um programa de televisão da BBC perguntou por que Robinson não contou às autoridades que sua mulher não declarou os US$ 80 mil recebidos de dois empresários e usados para ajudar McCambley.

Apesar do voto de confiança dado nesta segunda-feira, políticos do partido expressaram dúvidas sobre as perspectivas políticas de Robinson, ainda mais considerando-se que haverá eleições para o Parlamento em Londres no fim deste ano.

Se ele cair, os postos de primeiro-ministro e vice-primeiro-ministro, atualmente de Martin McGuinness, do católico Partido Sinn Fein, teriam de ser preenchidos.

AFP
Kirk McCambley, pivô do escândalo

Kirk McCambley, pivô do escândalo

O secretário de Estado da Grã-Bretanha para a Irlanda do Norte disse que teria de pedir uma eleição na assembleia se Robinson renunciasse e se o Executivo não chegasse a um consenso sobre um sucessor dentro de sete dias.

Uma crise na liderança de Belfast pode tornar mais difícil completar os últimos passos no processo de paz, depois de décadas de violência sectária, e potencialmente encorajar os dissidentes armados a lançarem outros ataques.

O escândalo surge em meio a uma situação tensa na Irlanda do Norte. Os republicanos condicionam sua permanência no governo à concessão por Londres de mais poder à Irlanda do Norte, mas os dois principais partidos não conseguiram alcançar um acordo sobre a questão.

"O problema é que já nos direcionávamos para uma perigosa crise política na Irlanda do Norte mesmo antes das revelações de Robinson", disse o especialista político irlandês Paul Bew.

O antecessor de Robinson, David Trimble, disse no domingo (10) que esse cargo estava ficando insustentável. Trimble, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1998 por seus esforços para trazer estabilidade para a Irlanda do Norte, previu que Robinson renunciaria "nos próximos dias".

Com AFP, EFE, Reuters e CNN

Leia mais sobre Irlanda do Norte

    Leia tudo sobre: escândaloirlanda do norte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG