Após eleições, Austrália fica com parlamento sem maioria

Principais partidos já negociam com independentes após eleição deixar país com seu primeiro Parlamento sem maioria desde 1940

Reuters |

AP
A primeira-ministra da Austrália, Julia Gillard, do Partido Trabalhista, acena para partidários em Melbourne
Os dois principais partidos da Austrália começaram a negociar com deputados independentes depois que a eleição dividida deixou o país com seu primeiro parlamento sem maioria desde 1940, o pior cenário possível para os mercados.

As projeções com base em 80% dos votos mostram que o governista Partido Trabalhista e os conservadores da oposição não conseguiram votos suficientes para formar um governo sem coalizões, forçando-os a recorrer aos quatro deputados independentes e a um deputado do Partido Verde para assumir o poder na Câmara dos Deputados.

"Obviamente ainda é cedo para saber. Há muitas cadeiras a decidir," disse a primeira-ministra Julia Gillard a correligionários trabalhistas em Melbourne neste sábado. A primeira mulher premiê da Austrália disse que o resultado final sairia em alguns dias, mas já há indicações de que ela começou a negociar com independentes, que poderão decidir quem será o próximo primeiro-ministro.

Analistas projetaram 70 assentos para os dois maiores partidos , com quatro independentes e um representante do Partido Verde. Ficam, portanto, faltando seis deputados para que Gillard possa assumir o controle do Parlamento de 150 membros, no que seria o primeiro parlamento sem maioria desde a Segunda Guerra Mundial.

O líder de oposição, Tony Abbott, também disse que falaria nos próximos dias com membros independentes do Parlamento sobre a formação de um governo de minoria depois das eleições inconclusivas deste sábado.

"Não temos um resultado claro. O que ficou claro é que o Partido Trabalhista definitivamente perdeu sua maioria e isso significa que o governo perdeu sua legitimidade," disse ele aos correligionários do Partido Liberal Nacional em Sydney.

AP
O líder do Partido Liberal da Austrália, Tony Abbott, beija sua mulher, Margie, durante evento com partidários em Sydney
"A incerteza será um problema para o mercado financeiro e o dólar australiano vai reagir drasticamente," disse Craig James, economista chefe da Commsec. "A moeda poderá cair pelo menos um centavo e talvez até mais, com os investidores reduzindo suas posições na economia australiana," acrescentou James.

O independente Tony Windsor disse que está disposto "a conversar com todos" depois que o resultado final sair, segundo a mídia local. "A questão mais importante é a estabilidade do governo," disse ele.

Alguns independentes têm visões protecionistas e se manifestam abertamente contra o investimento chinês em recursos australianos. Não apenas o futuro político dos novos líderes Gillard e do chefe da oposição, Abbot, estão em jogo, como também os planos do Partido Trabalhista para um imposto sobre recursos naturais de 30% e de uma rede de banda larga de US$ 38 bilhões.

    Leia tudo sobre: austráliaeleiçõesparlamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG