Após deslize na posse, Obama jura cargo novamente

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, teve que jurar o cargo pela segunda vez, após um leve deslize durante sua posse na última terça-feira, informaram hoje fontes oficiais.

EFE |

  • Veja as imagens da posse de Barack Obama em Washington
  • Assista aos principais trechos do discurso de Barack Obama
  • Editorial do NYT: "Com Obama, esta sofrida nação conseguirá se unir"
  • Leia o discurso de Barack Obama na íntegra
  • Conheça a equipe que irá governar com Barack Obama
  • "Foi por precaução", disse o conselheiro da Casa Blanca Greg Craig, em uma declaração feita depois que Obama repetisse seu juramento tal como está escrito na Constituição dos Estados Unidos.

    O deslize ocorreu quando Obama alterou a ordem das palavras que devia utilizar na hora de jurar o cargo.

    Na cerimônia de terça-feira, o juramento foi conduzido pelo presidente do Suprema Corte dos EUA, John Roberts.

    "Achamos que o juramento ao cargo aconteceu de maneira eficiente e que o presidente jurou adequadamente", assinalou Craig.

    No entanto, ele frisou que o texto do juramento presidencial está na Constituição e portanto, "em um excesso de precaução e porque havia uma palavra posta na ordem errada, o juiz Roberts administrou" o juramento do cargo novamente.

    A cerimônia aconteceu de forma privada em um dos salões da Casa Branca.

    Guantánamo

    Um juiz militar aprovou nesta quarta-feira o requerimento de suspensão dos julgamentos dos presos mantidos na prisão da Base Naval de Guantánamo, localizada em território cubano, solicitada pela administração do presidente Barack Obama. Obama fez o pedido através de promotores, em uma de suas primeiras medidas na Casa Branca.

    A Procuradoria militar dos Estados Unidos pediu na terça-feira a suspensão durante quatro meses dos julgamentos dos detidos em Guantánamo. O pedido foi feito horas antes do início das audiências de cinco acusados de terem ligações com os atentados de 11 de setembro de 2001.

    No documento de duas páginas, o governo afirma que os interesses da justiça serão contemplados com a imediata suspensão dos julgamentos. Foi solicitado um adiamento de 120 dias nas audiências.

    Segundo o documento, o adiamento permitirá que o presidente e seu governo tenham tempo para revisar o processo das comissões militares .

    Assista à reportagem sobre a posse de Obama:

    Análises

    Opinião

    Leia também:

    Galerias de fotos

    Vídeos

      Leia tudo sobre: obama

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG