Após ataques, Mumbai passa a levar segurança a sério

Por Rina Chandran MUMBAI (Reuters) - Hotéis e lojas de Mumbai estão instalando circuitos-fechados de TV e outros aparelhos de segurança, enquanto policiais com coletes à prova de bala vigiam estações ferroviárias, ainda sob o impacto dos recentes ataques que mataram ao menos 171 pessoas no centro financeiro da Índia.

Reuters |

Os disparos em dois hotéis de luxo e em outros oito lugares da antiga Bombaim fizeram com que empresas e residências fossem atrás de mais proteção, porém a infra- estrutura de segurança da cidade está muito inadequada e precisa de uma reformulação urgente, segundo especialistas.

"As pessoas levam a segurança a sério depois que alguma coisa acontece", disse Pramoud Rao, presidente da ONG Associação do Fogo e da Segurança da Índia. "Do contrário, nós, indianos, tendemos a achar que Deus irá nos proteger."

A demanda por sistemas eletrônicos de segurança já havia disparado na Índia depois de outros atentados contra grandes cidades nos últimos anos. Mesmo assim, o total gasto anualmente com sistema eletrônicos de vigilância fica em apenas 18 bilhões de rúpias (360 milhões de dólares), segundo Rao.

A necessidade de vigilância é especialmente premente em lugares que tem sido alvos de ataques, como hotéis, locais de culto e estações de trem.

"A maioria das casas e escritórios atualmente tem apenas um guarda mal treinado no portão, a quem pagam 50 dólares por mês, e a maioria dos sistemas de segurança está focada em políticos e violações de tráfego", disse Rao.

Mas Mumbai, centro financeiro e tradicional destino de migrantes, é uma cidade de 18 milhões de habitantes, com um extenso litoral, o que torna sua proteção complicada, segundo o ex-chefe de polícia Julio Ribeiro. "Não é fácil -- não se pode vigiar cada lugar."

Uma semana depois do início dos ataques, a segurança na cidade continua falha. Na principal estação ferroviária atacada na semana passada, os passageiros passam apressados por detectores de metal, mesmo quando a luz "stop" se acende. Policiais armados e com cães farejadores vistoriam superficialmente algumas bolsas.

Em outras estações, alguns policiais com coletes à prova de bala liam jornais ou tomavam chá durante o rush matinal. Nas ruas, a ostensiva presença policial já foi visivelmente reduzida.

Nos escritórios, seguranças particulares pedem identidade aos funcionários, e nos grandes hotéis, há detecção de metais em malas e veículos.

Ratan Tata, presidente do grupo Tata, que controla os hotéis da rede Taj (que teve um cinco-estrelas atacado), diz que a segurança no hotel já havia sido reforçada algumas semanas antes.

Mas um hóspede que ficou retido no hotel Trident Oberoi durante o cerco disse que havia notado falhas na segurança.

"Havia um detector de metais na entrada, e ninguém o monitorava. Metade das pessoas passava por fora dele", afirmou Anil Malhotra, que passou 40 horas retido no 27o andar, durante o incidente que levou à morte de 22 hóspedes e 10 funcionários do hotel.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG