Após ataque a TV, Venezuela decreta prisão de aliada de Chávez

CARACAS (Reuters) - A Justiça venezuelana decretou nesta terça-feira a prisão de Lina Ron, uma aliada radical do presidente Hugo Chávez que no dia anterior participou de um ataque com bombas lacrimogêneas contra a sede de um canal de televisão crítico do governo. Imagens do canal mostraram como Ron e dezenas de motoqueiros com boinas vermelhas, semelhantes às usadas por Chávez, lançaram várias bombas de fumaça contra a sede da Globovisión, em Caracas.

Reuters |

Executivos da emissora disseram que os manifestantes estavam armados e o ataque deixou dois funcionários e uma policial levemente feridos.

"A pedido do Ministério Público, foi emitida uma ordem de prisão contra Lina Linette Ron Pereira, por sua suposta participação nos eventos ocorridos nesta segunda, 3 de agosto, nas instalações do canal de televisão Globovisión", afirma o Ministério Público em comunicado. O documento, no entanto, não especifica qual crime Lina Ron teria cometido.

O governo condenou o ataque à Globovisión, um pequeno canal de notícias 24 horas que Chávez já ameaçou fechar por considerá-lo um perigo para a saúde mental dos venezuelanos.

Em 2008, Lina Ron e seus seguidores ocuparam o Palácio Arcebispal de Caracas depois que líderes da Igreja Católica criticaram Chávez. O próprio presidente condenou a ação e exigiu da controversa líder política uma "disciplina revolucionária".

Ron -- que já apareceu em diversos atos com Chávez e funcionários do primeiro escalão do governo e do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) -- declarou na época que a "Globovisión é objetivo revolucionário".

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) emitiu na segunda um comunicado em que expressou "profunda preocupação com a deterioração do direito à liberdade de expressão na Venezuela".

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, também se mostrou preocupado. "Há uma declaração (da CIDH) clara o suficiente para que eu acrescente algo. Certamente (a situação) é preocupante".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG