Após anunciar trégua, Israel promete aliviar restrições em Gaza

O governo de Israel disse que se o acordo de cessar-fogo acertado com o grupo palestino Hamas garantir três dias de calma na Faixa de Gaza, as forças israelenses aliviarão algumas das restrições que impõem na região. Israel e Hamas chegaram a um acordo de trégua, com mediação do Egito.

BBC Brasil |

O cessar-fogo começará nesta quinta-feira, às 06h00 (00h00 no horário de Brasília).

Já na sexta-feira, a passagem de pessoas entre Gaza e Israel será facilitada, segundo o governo de Tel Aviv.

Israel também prometeu aliviar o cerco econômico à Faixa de Gaza e permitir a chegada de um carregamento com produtos na região.

O ministro israelense da Defesa, Ehud Barak, condicionou essas medidas à paz na região.

"Quando a calma começar na Faixa, se ela começar, é difícil saber quanto tempo ela vai durar", disse ele, segundo o jornal israelense Haaretz.

Egito
O anúncio de que Israel concordava com o cessar-fogo foi feito na terça-feira por Barak e pelo primeiro-ministro, Ehud Olmert, depois do retorno de um representante do governo que estava negociando a questão no Cairo.

Israel também disse que, durante a trégua, as negociações para libertação do soldado capturado Gilad Shalit vão se intensificar.

Um representante do Hamas disse à BBC que acredita que a trégua será respeitada pelos integrantes do grupo.

Hamas assumiu controle da Faixa de Gaza em junho de 2007, expulsando com violência as forças da facção rival Fatah, liderada pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas.

Desde então, Israel, a Autoridade Palestina e parte da comunidade internacional têm tentado isolar o Hamas, inclusive com restrições econômicas à Faixa de Gaza.

Segundo o correspondente da BBC em Jerusalém Wyre Davies, a trégua sinaliza que o Hamas estaria reconhecendo que o bloqueio econômico de Israel à Gaza afeta a população de Gaza.

Segundo o analista da BBC para assuntos árabes, Magdi Abdelhadi, as autoridades do Egito consideram o acordo entre Hamas e Israel um sucesso da diplomacia egípcia, que mediou a trégua. Israel e o Hamas não mantêm contatos diretos.

Diplomatas do Egito querem agora estender a trégua de Gaza também para a Cisjordânia.

Em uma segunda fase, o Egito quer negociar entre as duas partes a libertação do soldado israelense capturado Gilad Shalit e a abertura do principal ponto de passagem de Rafah para o Egito.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG