Após acordo com Rússia, Obama começa a preparar cúpula nuclear

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deixou Praga rumo a Washington nesta sexta-feira, onde deve começar logo a acertar os últimos detalhes para a cúpula sobre segurança nuclear que acontece na próxima semana.

iG São Paulo |

Obama, que pouco antes de partir se reuniu com o presidente tcheco, Vaclav Klaus, deixou pouco antes das 11h (6h, Brasília) Praga, onde na quinta-feira assinou com o presidente russo, Dmitri Medvedev, um novo tratado de desarmamento nuclear .


Obama deixa Praga nesta sexta-feira / AP

Ao chegar a Washington, Obama deve fazer os últimos preparativos para a cúpula sobre segurança nuclear de segunda e terça-feira próximas. A reunião terá a presença de 47 países e a ausência já confirmada do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu .

O objetivo da cúpula, segundo a própria Casa Branca, é conseguir medidas e compromissos concretos para garantir a segurança de todos os materiais nucleares num prazo de quatro anos, de modo que se evite que caiam em mãos de grupos terroristas ou de regimes hostis.

A nova estratégia nuclear dos EUA, tornada pública na terça-feira passada, considera o terrorismo nuclear a grande ameaça da atualidade.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva já confirmou presença, da mesma forma que o presidente da China, Hu Jintao, e o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh.

Os líderes começarão a chegar no domingo. Na segunda- feira, a maior parte do dia será dedicada a reuniões bilaterais e, na terça, haverá duas sessões plenárias, que terminarão com uma entrevista coletiva e uma declaração final.

Irã e Coreia do Norte

Em sua agenda oficial, a cúpula não deve se concentrar em nações em especial, mas os programas nucleares da Coreia do Norte e do Irã certamente ganharão - naturalmente - seu espaço nos debates. Nenhum dos dois países está convidado à reunião em Washington.

Obama aproveitará a cúpula para obter apoio a um conjunto de novas sanções contra o programa nuclear iraniano, que os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (EUA, França, Reino Unido, Rússia e China) e a Alemanha discutem desde quinta-feira na sede da ONU em Nova York .

O presidente americano deve se reunir na segunda-feira com o presidente da China para pressioná-lo a apoiar as sanções. Até agora, Pequim é o membro permanente do Conselho de Segurança mais reticente em pressionar o Irã com retaliações.

Na quinta-feira, após a assinatura do tratado de desarmamento, Obama e o presidente russo lançaram uma dura advertência contra o regime de Mahmoud Ahmadinejad.

Na reunião de mais de uma hora que os dois líderes tiveram, as sanções ocuparam lugar de destaque. Nela, Medvedev explicou a Obama o que está disposto a aceitar e o que não.


Obama e Medvedev participaram de reunião bilateral em Praga / Reuters

Seu vice-chanceler, Serguei Ribakov, afirmou que a Rússia não aceitará um embargo aos produtos refinados de petróleo enviado ao Irã, ao considerar que isso representaria um peso exagerado sobre o povo iraniano.

Medvedev disse que a Rússia apoiaria "sanções inteligentes" que não prejudiquem a população iraniana nem busquem uma mudança de regime, mas sim induzam a uma guinada no comportamento de Ahmadinejad.

O presidente americano tem previstas também reuniões com líderes como a chanceler alemã, Angela Merkel; o rei Abdullah da Jordânia e o primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gillani.

Expectativas

Esta semana, em entrevista concedida ao diário "The New York Times", Obama afirmou que o objetivo dos EUA na cúpula "não é uma declaração vaga e branda".

"Antecipamos um comunicado que deixa muito claro como vamos conseguir deixar guardados todos os materiais nucleares nos próximos quatro anos", declarou o presidente americano.

De acordo com a Casa Branca, a assinatura do novo tratado Start dá aos EUA a autoridade moral para exigir compromissos concretos dos demais países.

Um comunicado contundente, como o que busca Obama, representaria um grande impulso para a reunião na ONU, em maio, para a atualização do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP).

* Com EFE

Leia mais sobre segurança nuclear

    Leia tudo sobre: segurança nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG