Após 14 anos do massacre de Srebrenica, mais 534 vítimas são sepultadas

Sarajevo, 11 jul (EFE).- Os restos mortais de mais 534 vítimas do massacre de Srebrenica foram sepultados hoje no centro memorial das proximidades do antigo enclave oriental bósnio, quando se lembra o 14º aniversário do massacre.

EFE |

Cerca de 30 mil pessoas de diversos pontos do país e do exterior assistiram ao ato em Potocari, 14 anos depois que cerca de 8 mil homens muçulmanos foram assassinados depois que as tropas servo-bósnias, sob o comando do general Ratko Mladic, tomaram em 11 de julho de 1995 - poucos meses antes do fim da guerra - esse enclave, então uma área protegida da ONU.

A cerimônia de sepultura aconteceu de acordo com os ritos religiosos oficiados pelo máximo hierarca da comunidade islâmica da Bósnia, Mustafá Ceric.

"Ao lembrar as vítimas, devemos levar em nosso pensamento uma verdade simples, mas difícil: que a verdade e a justiça, e não a vingança, são o caminho para a paz", disse no ato o alto representante da comunidade internacional para Bósnia, Valentin Inzko.

Também estiveram presentes na cerimônia, entre outras personalidades, os co-presidentes muçulmano e croata da Bósnia, Haris Silajdzic e Zeljko Komsic, respectivamente, e membros do Governo e do Parlamento centrais (comuns de muçulmanos, sérvios e croatas).

O prefeito de Srebrenica, o muçulmano Osman Suljic, disse que esta cidade "é uma mancha escura da humanidade".

"Lembramos Srebrenica como uma derrota comum, mas não perdemos a luta por uma Srebrenica democrática que será o símbolo da paz e da prosperidade, de um futuro seguro e moderno", disse.

O embaixador dos Estados Unidos na Bósnia, Charles English, disse que, "mais uma vez, devemos nos perguntar como foi possível um ato assim e o genocídio nestes tempos, em um país que antes era pacífico".

Entre as vítimas hoje sepultadas, havia também três menores assassinados aos 14 anos, um idoso de 86 anos e duas mulheres, uma de 75 e outra de 65 anos.

Até agora, 3,749 mli vítimas do massacre, identificadas através de exames de DNA, foram enterradas no centro memorial de Potocari.

Centenas de cadáveres exumados de diferentes valas comuns ainda precisam ser identificados.

O general Mladic, um dos principais acusados de genocídio pelo Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII) em relação ao massacre de Srebrenica, segue foragido.

A respeito, o presidente da Sérvia, Boris Tadic, disse hoje, em comunicado, que seu país faz tudo os possível para capturar Mladic e para que todos os responsáveis de crimes de guerra "pelas vítimas de Srebrenica, mas também por outras vítimas inocentes", sejam julgados no TPII, com sede em Haia. EFE Nh-Sn/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG