Apesar de vencer Superterça, Romney continua longe de candidatura

Maratona de votação em dez Estados confirmou desempenho fraco de favorito republicano entre eleitores conservadores do partido

iG São Paulo |

Apesar de ter vencido na maioria dos Estados da Superterça , votação com o maior número de delegados em jogo em um só dia na corrida pela nomeação à candidatura presidencial, o pré-candidato republicano Mitt Romney não conseguiu selar a disputa e confirmar-se como candidato do partido para concorrer com o presidente Barack Obama nas eleições de novembro .

Favorito: Mitt Romney consolida liderança com vitórias da Superterça

AP
Romney comemora vantagem sobre adversários com partidários em Boston
Infográfico: Quem são os principais pré-candidatos republicanos?

Ao contrário, a espetacular maratona de votos em dez Estados deixou o ex-governador de Massachusetts praticamente na mesma posição em que estava, como o favorito condenado a superar um difícil mês de março para conquistar seu prêmio final. Romney conseguiu uma maioria de seis Estados, mas não se livrar de seus adversários Rick Santorum e Newt Gingrich , e expôs novamente os aspectos fracos que prejudicam sua campanha à indicação.

Mais uma vez, o favorito republicano fracassou em sua tentativa de cativar a base conservadora de seu partido. Mais uma vez, Romney gastou milhões de dólares em propaganda, mas não conseguiu definir uma campanha. Pesquisas de boca de urna no crucial Estado de Ohio mostraram, além disso, que o multimilionário continua lutando para conectar-se aos eleitores da classe média e aos trabalhadores.

Apesar disso, a Superterça deixou poucas dúvidas aos analistas de que Romney será o republicano que tentará impedir um segundo mandato de Obama na Casa Branca. "Acho que a longa luta para a indicação continua para Mitt Romney", afirmou Dante Scala, professor de Ciências Políticas da Universidade de New Hampshire.

Romney já recebeu vários golpes, mas pelo menos pode considerar-se um sobrevivente. Agora pode, além disso, celebrar ter vencido as primárias na Flórida e Ohio, dois Estados que mudam de preferência eleição para eleição, e onde os republicanos precisam vencer para ambicionar a Casa Branca.

"Acho que Romney é favorito por exclusão", opinou Bruce Buchanan, professor de governo na Universidade de Texas. "Ouviremos ainda a defesa de alguns republicanos quanto a outros candidatos e saberemos se tudo isso cairá por terra."

Mesmo sem cifras definitivas ainda, Romney assegurou na terça-feira uma vantagem no único número que conta: o de delegados para a Convenção Nacional republicana de agosto. O ex-governador de Massachusetts agora detém 415 delegados, enquanto Santorum somou 176 na corrida pelos 1.144 delegados necessários para a indicação .

iG explica: Entenda como funcionam as eleições americanas

Romney ganhou em Ohio, Idaho, Massachusetts, Vermont, Virgínia e Alasca, enquanto Santorum venceu no Tennessee, Oklahoma e Dakota do Norte. Gingrich ganhou apenas em seu Estado natal, Geórgia .

Mas o fracasso de Romney no Tennessee foi uma decepção, já que uma vitória neste Estado teria permitido alegar que, apesar de moderado, é capaz de atrair os ativistas conservadores em um Estado tradicionalmente republicano.

Do mesmo modo, Santorum também não conseguiu transcender seu eleitorado conservador e religioso, perdendo por estreita margem em Ohio, um campo de batalha muito complexo, onde tentou mostrar-se como um candidato viável para a eleição geral. Os esforços de Santorum por apresentar-se como um genuíno oponente de Obama também fracassaram.

Os eleitores, cuja prioridade é eleger um candidato capaz de derrotar Obama, favoreceram Romney por margem estreita em Ohio: 38% contra 37%.

Romney captou a maioria de seus votos entre os setores com maior renda, segundo as pesquisas, mas perdeu para Santorum com os eleitores da classe média - os que ganham entre US$ 50 mil e US$ 100 mil por ano e os que recebem menos de US$ 50 mil. Isso poderá ser um problema na eleição geral, ante uma campanha populista de Obama que apresente Romney como o porta-voz de uma economia injustamente inclinada para os muito ricos.

A Superterça se converteu num microcosmo de toda a campanha republicana: Romney era o pré-candidato mais forte, com limitações, incapaz de liderar de forma indiscutível uma disputa carente de um candidato que una o partido.

Esse fato preocupa os republicanos, que temem uma campanha complicada, dominada por temas sociais que provavelmente afugentarão os eleitores moderados, o que prejudicaria muito as possibilidades de um eventual indicado para enfrentar Obama.

*Com AFP e New York Times

    Leia tudo sobre: euaeleição nos euasuperterçarepublicanosromneysantorumgingrichron paul

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG