LIMA - Ao menos 31 pessoas morreram e 50 ficaram feridas entre indígenas e policiais nesta sexta-feira, durantes confrontos no norte do Peru, em meio a um protesto de nativos amazônicos que reclamam a revogação de leis que, segundo eles, deixam seus territórios vulneráveis.

AP
Índios protestam no Peru

Índios protestam no Peru

Os índios iniciaram seu protesto em abril para exigir a eliminação de leis aprovadas pelo governo do presidente Alan García que buscam maior investimento privado em zonas ricas em recursos naturais.

"Quero responsabilizar o governo do presidente Alan García por ordenar o genocídio. Eles estão atirando balas em nós como animais", disse o líder dos nativos da região, Alberto Pizango, durante coletiva com a imprensa estrangeira.

Pizango afirmou que, segundo informações recebidas da zona de conflito, há 22 índios mortos por disparos realizados pela polícia a partir de um helicóptero. A ministra do Interior, Mercedes Cabanillas, disse a jornalistas que são nove os policiais mortos.

Os protestos obrigaram a estatal Petroperu a suspender temporariamente o único oleoduto que transporta petróleo da selva norte até a costa do Pacífico. A argentina Pluspetrol parou após sua produção no norte do país devido à falta de capacidade de armazenamento.

O presidente García disse a jornalistas que responsabiliza "qualquer evento lamentável" na zona de conflitos aos dirigentes dos nativos, que "instigam" a violência apoiados por políticos opositores ao governo.

"Já chegou o momento de abrir as estradas, de abrir os rios, e assumir as responsabilidades", afirmou.

Leia mais sobre Peru

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.