Um total de 114 mineiros, dos 153 presos há oito dias em uma mina inundada do norte da China, foram resgatados com vida nesta segunda-feira.

Durante a madrugada, nove trabalhadores foram resgatados , seguidos horas mais tarde por outros 105, de acordo com a Televisão Central da China (CCTV).

A mina de Wangjialing, na província de Shanxi, estava cercada por dezenas de ambulância e macas, usadas para a retirada dos sobreviventes.


Chineses aplaudem retirada de mineiros dos escombros / AP

"Estou maravilhado, é a primeira vez que assistimos a dois milagres", declarou à CCTV Luo Lin, diretor da Administração da Segurança do Trabalho.

"É um milagre. Valeu a pena não ter dormido durante vários dias", afirmou, em meio a lágrimas, Wei Fusheng, que integra a equipe de resgate.

Até o momento, o governo não anunciou o número de mortos da catástrofe de 28 de março. Mas socorristas citados pela imprensa chinesa afirmaram ter visto corpos no fundo da mina.

Os trabalhadores salvos, envolvidos em cobertores e com os rostos protegidos por toalhas ou peças de roupa para evitar o contato direto com a luz depois de mais de uma semana no escuro, eram recebidos com aplausos pelas equipes de resgate e os médicos.

Os nove primeiros resgatados estavam totalmente desidratados e receberam soro e oxigênio. Mas de acordo com a agência China News Service, que citou fontes do hospital de Heijin, a 50 quilômetros da mina, o estado dos trabalhadores era estável algumas horas após o resgate.

A mina, na Província de Shanzi, inundou no domingo passado , depois que os mineiros quebraram uma parede que dava acesso a um túnel abandonado.

Pelo menos 3 mil pessoas trabalham dia e noite para tentar retirar a água no local onde as pessoas estão presas.

A China possui algumas das minas de carvão mais perigosas do mundo. A economia do país depende muito do carvão. A maioria dos acidentes é atribuída à falta de segurança das instalações.

Segundo estatísticas oficiais, 2.631 mineiros morreram em 1.616 acidentes em 2009 na China, uma queda de 18% em relação ao ano passado.

Leia mais sobre China

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.