Anunciado bloqueio de ruas em bastião governista de Santa Cruz, na Bolívia

São Julián (Bolívia) - Os moradores da localidade boliviana de São Julián, considerado o bastião dos seguidores do Governo de Evo Morales, anunciaram um bloqueio de estradas como medida de protesto contra o referendo autonomista deste domingo.

EFE |

Clique na imagem e veja o infográfico sobre a Bolívia

Após uma assembléia popular da qual participaram cerca de duas mil pessoas, os moradores decidiram impedir por meio do bloqueio de estradas a realização nesta localidade do referendo autonomista promovido por líderes políticos e cívicos de Santa Cruz, considerado o reduto da oposição a Morales.

No meio de palavras de ordem contra o estatuto autônomo, os líderes de São Julián apelaram pela não participação no referendo e anunciaram "castigos" para quem tentasse fazê-lo na localidade.

Na localidade de São Julián, a cerca de 150 quilômetros ao norte de Santa Cruz, os moradores decidiram impedir a consulta e desafiaram à União Juvenil Crucenhista, considerado um grupo de choque dos autonomistas, a entrarem na localidade para tentar instalar as urnas.

"Não temos medo deles", disseram em várias ocasiões os dirigentes, que subiram em um palanque improvisado situado no mercado central do povo.

O constituinte Armando Terrazas disse durante seu discurso que os habitantes de São Julián "vão saber castigar e sancionar" quem votar amanhã.

O líder sindical camponês Pedro Nuni denunciou em seu discurso que o referendo começou hoje com votos em algumas empresas, cujos empregados amanhã querem ir jogar futebol.

"Vai correr sangue se vierem a São Julián", assegurou a dirigente camponesa Beatriz Medrano, que se referiu ao governador regional Rubén Costas como "maldito oligarca".

Em grande parte dos discursos, junto às críticas e insultos contra os promotores do referendo, também houve referências à imprensa, à qual acusaram de "mentir" e exigiram que "contem a verdade".

Um fotógrafo do jornal de La Paz "La Razón" foi agredido hoje na localidade de Yapacaní, também no departamento de Santa Cruz, por um grupo anti-autonomista.

Segundo informaram à Agência Efe fontes do periódico, os agressores bateram no jornalista, que teve que ser atendido em um centro de saúde por causa de ferimentos no rosto, quando tentava fotografar incidentes provocados pelos anti-autonomistas.

Leia mais sobre: Bolívia

    Leia tudo sobre: bolívia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG