Antiinflamatórios podem reduzir risco de câncer de mama, diz estudo

O uso freqüente de antiinflamatórios pode reduzir o risco de câncer de mama em até 21%, afirma um estudo publicado na edição desta quarta-feira da revista científica Journal of the National Cancer Institute. Cientistas espanhóis e canadenses revisaram 38 estudos sobre a relação entre a doença e o uso dos remédios, com análises sobre a saúde de um total de 2,7 milhões de mulheres, para chegar à conclusões.

BBC Brasil |

Eles observaram que o uso freqüente dos antiinflamatórios causa uma redução média de 12% no risco de se desenvolver câncer de mama.

Ao analisar dados específicos de cada tipo do remédio, os cientistas identificaram que o uso da Aspirina seria responsável por uma redução de até 13%, enquanto o consumo regular de Advil reduziria os riscos em até 21%.

"Os resultados são encorajadores e podem nos ajudar a compreender melhor a importância do papel das inflamações na patologia da doença", disse Mahyar Etminan, da Universidade de British Columbia, no Canadá, que coordenou o estudo.

Hipótese
Estudos anteriores alcançaram resultados conflitantes sobre a relação entre o uso dos medicamentos e a redução no risco de desenvolver a doença.

Na pesquisa recente, a análise foi feita a partir de estudos observacionais e não contou com testes clínicos.

Por essa razão, Etminan ressalta que, apesar dos resultados serem animadores, ainda devem ser considerados apenas como uma hipótese. O cientista não recomenda o uso freqüente dos medicamentos para mulheres que querem se prevenir contra a doença.

"Não recomendamos o uso freqüente dos antiinflamatórios como medida de prevenção para o câncer de mama até que testes clínicos confirmem esses resultados", disse ele.

Segundo ele, apenas depois dos testes será possível avaliar os mecanismos biológicos envolvidos na relação entre o uso dos antiinflamatórios e a redução nos riscos do câncer de mama.

Etminan afirma ainda que os testes já estão sendo realizados pela equipe. Os resultados serão divulgados em 2009.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG