denúncias contra Israel pela extração de órgãos de cadáveres palestinos sem a permissão de suas família." / denúncias contra Israel pela extração de órgãos de cadáveres palestinos sem a permissão de suas família." /

ANP investigará denuncia contra Israel sobre extração de órgãos de palestinos

RAMALA - O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Salam Fayyad, ordenou nesta segunda-feira a abertura de uma investigação sobre as http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/12/20/ministros+da+anp+acusam+israel+de+extrair+orgaos+de+palestinos+9251194.html target=_topdenúncias contra Israel pela extração de órgãos de cadáveres palestinos sem a permissão de suas família.

EFE |

Segundo um porta-voz oficial do escritório de Fayyad, o primeiro-ministro palestino encarregou a coordenação da investigação ao titular responsável pelos presos em seu governo, Eissa Qarage, "diante da preocupação causada pelas denúncias".

A abertura da investigação acontece três dias depois que o "Canal 2" da televisão israelense transmitiu uma reportagem sobre a sistemática extração de órgãos na década de 90 no Instituto de Medicina Legista de Abu Kabir, em Tel Aviv.

A reportagem divulgou declarações nas quais o ex-diretor do Instituto Abu Kabir de Medicina Legista de Israel, Yehuda Hiss, confirma que retirou a pele e as córneas de cadáveres nos anos 90 sem a permissão de suas famílias.

Investigado em duas ocasiões por este motivo, mas nunca julgado, Hiss fez a afirmação em 2000 à pesquisadora americana Nancy Shepard Hughes, que sugere na reportagem que os órgão eram retirados de "todo tipo de cadáveres".

"Não digo exclusivamente de palestinos, mas também deles", acrescenta a antropóloga, que divulgou a gravação por causa de um artigo publicado em julho passado no jornal sueco "Aftonbladet", que sugeria que soldados israelenses participavam do tráfico de órgãos extraídos de palestinos mortos.

A reportagem se baseava em um suposto caso ocorrido em 1992 no qual o cadáver de um jovem palestino foi devolvido a sua família com uma sutura que ia do abdômen ao queixo, cinco dias após sua morte por ação de soldados israelenses.

O artigo originou uma profunda crise diplomática entre Suécia e Israel, cujo titular de Assuntos Exteriores, Avigdor Lieberman, chegou a comparar a rejeição de Estocolmo a pedir perdão pela publicação com seu "silêncio durante o Holocausto".

Leia mais sobre: extração de órgãos

    Leia tudo sobre: israelpalestina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG