Anistia Internacional denuncia torturas e mortes no Zimbábue

Johanesburgo, 19 jun (EFE) - A Anistia Internacional (AI) denunciou hoje que 12 pessoas foram torturadas e mortas no Zimbábue, aparentemente por seguidores do partido do presidente do país, Robert Mugabe. Segundo um comunicado da AI divulgado em Johanesburgo, os corpos foram desovados em várias áreas, e a maioria deles mostra sinais de que as vítimas foram torturadas por seus seqüestradores antes de ser assassinadas. A organização pró-direitos humanos afirma que as vítimas foram seqüestradas por militantes da governamental União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (Zanu-PF), que, em alguns casos, eram acompanhados de homens armados, supostamente agentes do Governo. Das vítimas, quatro foram seqüestradas por jovens da Zanu-PF na casa de um conselheiro municipal eleito pelo distrito de Chitungwiza pelo opositor Movimento para a Mudança Democrática (MDC, em inglês), e entre elas estava o filho mais velho do funcionário. O porta-voz oficial do MDC, Nelson Chamisa, disse à Agência Efe em Harare que os quatro seqüestrados em Chitungwiza, cerca de 20 quilômetros ao sul dessa capital, foram golpeados com barras de ferro, garrotes e culatras de fuzis. Em seguida, foram levados a um caminhão por um grupo que se identificou como veteranos da guerra de independência do Zimbábue. Os corpos foram encontrados hoje aos arredores de Chitungwiza e, no lugar, também havia cartuchos usados de armas de fogo, com as quais, provavelmente, foram assassinado...

EFE |

A AI afirma ainda ter recebido informação de testemunhas em diferentes partes do país de que soldados do Exército zimbabuano percorrem as áreas rurais e ameaçam com suas armas os aldeães, ordenando que votem em Mugabe na segunda rodada das eleições presidenciais, no dia 27.

Mugabe enfrentará no pleito o líder do MDC, Morgan Tsvangirai, que venceu no primeiro turno, realizado em 29 de março, mas não obteve mais de 50% dos votos necessários para uma maioria direta, como indicam as leis eleitorais zimbabuanas.

A oposição venceu também nas eleições parlamentares realizadas no mesmo dia.

Em seu documento, a AI pede também que os líderes da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC, em inglês) convoquem uma reunião cúpula de emergência para tentar resolver a crescente situação de insegurança no Zimbábue. EFE jm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG