Anistia exige libertação de casal gay preso no Malaui

LILONGWE (Reuters) - A Anistia Internacional pediu nesta quarta-feira que o Malaui liberte os dois homens detidos na semana passada após terem se tornado o primeiro casal gay a se casar no conservador país africano que proíbe o homossexualismo. Uma Corte do Malaui negou na segunda-feira o pagamento de fiança a Steve Mojeza e Tiwonge Chimbalanga, presos acusados de indecência pública pelo casamento simbólico ocorrido em 26 de dezembro.

Reuters |

Em um comunicado, a Anistia Internacional disse que a prisão dos homens foi uma violação aos direitos de "liberdade de consciência, expressão e privacidade".

"A Anistia Internacional considera indivíduos detidos somente por sua opção sexual como prisioneiros da consciência e pede pela sua liberação imediata e incondicional", acrescentou.

O grupo de direitos também criticou o que afirmou serem tentativas de realizar exames nos homens para comprovar se tiveram relações sexuais.

"A prisão... ameaça colocar na clandestinidade homens que têm sexo com homens, tornando mais difíceis o acesso à informação sobre prevenção ao HIV e serviços de saúde", afirmou a Anistia.

A Aids já matou mais de 800.000 pessoas no Malaui desde o primeiro caso registrado, em 1985, dizimando uma geração de adultos e deixando mais de um milhão de órfãos.

Nesta quarta-feira, a polícia do Malaui disse que os dois homens foram submetidos a testes psiquiátricos durante as investigações. Ambos podem ser condenados a até 14 anos de prisão.

(Reportagem de Mabvuto Banda)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG