Tamanho do texto

O fim-de-semana foi rápido e cheio de novidades em Washington. O centro de imprensa do Fundo Monetário Internacional (FMI) fica em um porão deprimente a dois andares abaixo do térreo, mas, de forma metafórica, é um bom lugar para se observar tudo que está acontecendo.

Após outra semana espantosa em Wall Street, o mercado de ações conseguiu se recuperar do fundo do poço no final da sexta-feira.

Isso se devia à uma expectativa, ou esperança, de que os ministros da Fazenda dos países do G7 anunciassem um plano de ajuda.

Possibilidades abertas
Como esperado, o comunicado dos ministros foi feito logo depois que os mercados fecharam.

O anúncio cobriu todas as áreas básicas - a injeção de dinheiro público nos bancos, para garantir que nenhum vá à falência, e para que os mercados de crédito voltem a ter liquidez.

Mas a ação deixou várias possibilidades abertas.

No dia seguinte ao encontro do G7, a ministra francesa da Fazenda, Christine Lagarde, disse uma conferência em Paris com os países do G7 que usam o euro, mais a Grã-Bretanha, colocaria "carne no esqueleto", ao definir os detalhes de como os países europeus colocariam em prática o plano do G7.

Enquanto isso, em Washington, o plano americano de resgate avançou.

Existe agora mais ênfase na idéia de que o governo deve assumir as perdas de bancos que estão com dificuldades. E o plano britânico de ajuda financeira também avançou rapidamente.

Durante todo o tempo, o G7 está sendo pressionado pelo FMI para acelerar suas medidas.

Mau humor
O humor aqui no FMI não chega ao pânico que atingiu os mercados durante alguns momentos, mas ainda assim é bastante ruim.

Mesmo o presidente americano, George W. Bush, tomou um tempo para visitar o FMI, onde se encontrou com ministros da Fazenda de alguns países. Foi a primeira visita de Bush ao prédio.

Diversos dirigentes do FMI - incluindo o diretor-geral Dominique Strauss-Kahn - estão dizendo que esta é a maior crise desde a Grande Depressão dos anos 30.

No entanto, as conseqüências econômicas na economia real ainda não estão nem perto do que foram nos anos 30.

O principal economista do FMI, Olivier Blanchard, disse à BBC que a situação certamente não vai se deteriorar até esse ponto.

Ainda assim, a previsão do FMI é bastante sombria. A segunda metade do próximo ano verá uma recuperação "gradual".

Quando a previsão foi publicada, Blanchard disse que mais medidas eram necessárias. Mas ele achou que o medo nos mercados provocaria uma reação dos governos.

Parece que ele estava certo. Resta aguardar para ver se as medidas anunciadas neste fim de semana vão funcionar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.