Uma ampla coalizão xiita, integrada por partidos do primeiro-ministro Nuri al Maliki e outros mais próximos ao Irã, deverá dirigir o Iraque nos próximos quatro anos, depois de um acordo para formar um grupo único no Parlamento." /

Uma ampla coalizão xiita, integrada por partidos do primeiro-ministro Nuri al Maliki e outros mais próximos ao Irã, deverá dirigir o Iraque nos próximos quatro anos, depois de um acordo para formar um grupo único no Parlamento." /

Ampla coalizão xiita deverá dirigir Iraque nos próximos quatro anos

Uma ampla coalizão xiita, integrada por partidos do primeiro-ministro Nuri al Maliki e outros mais próximos ao Irã, deverá dirigir o Iraque nos próximos quatro anos, depois de um acordo para formar um grupo único no Parlamento.

AFP |

Uma ampla coalizão xiita, integrada por partidos do primeiro-ministro Nuri al Maliki e outros mais próximos ao Irã, deverá dirigir o Iraque nos próximos quatro anos, depois de um acordo para formar um grupo único no Parlamento.

A lista liderada por Nuri al Maliki conseguiu na terça-feira o apoio dos conservadores xiitas da Aliança Nacional Iraquiana (ANI) e precisa, agora, do apoio de quatro deputados para conseguir formar o governo.

A Aliança para o Estado de Direito (AED) de Maliki e os xiitas conservadores da Aliança Nacional Iraquiana (ANI) devem reunir-se nesta quarta-feira para solucionar o ponto mais delicado: quem será o próximo chefe de governo?

Graças a sua aliança com a ANI, Maliki conta com 159 deputados e precisa de apenas mais quatro para conseguir a maioria absoluta no Parlamento que tem 325 cadeiras, e pôr um ponto final a dois meses de incerteza desde as concorridas eleições de 7 de fevereiro.

Mas os líderes da Aliança Curda reiteraram diversas vezes que não se somariam à grande coalizão xiita.

"Foi fechado um acordo para formar a maior bancada parlamentar entre a Aliança para o Estado de Direito e a Aliança Nacional Iraquiana. É um primeiro passo para uma abertura a outros grupos políticos", havia anunciado na terça-feira à noite Abdel Razak al Kazami, um conselheiro do ex-premiê Ibrahim Jaafari, membro da ANI.

Os representantes das duas listas devem encontrar-se nesta quarta-feira para determinar o procedimento a ser tomado para designar um novo primeiro-ministro.

Maliki, cuja chapa obteve 89 cadeiras, não está certo de que continuará no cargo.

sk/cyj/jo/lb.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG