Amotinados em Bangladesh mataram seu chefe, diz sobrevivente

Nova Délhi, 27 fev (EFE).- O diretor-geral dos Bangladesh Rifles (BDR), o general Shakil Ahmed, está entre os mortos no motim da guarda especial de fronteiras, segundo o relato de um oficial sobrevivente publicado hoje pelo jornal local The Daily Star.

EFE |

O general morreu nos primeiros minutos do motim, que começou nesta quarta-feira no quartel-general dos Bangladesh Rifles, em Daca, devido a uma disputa sobre salários, de acordo com o tenente-coronel Syed Kamruzzaman.

Faltando ainda serem divulgados dados sobre número oficial de vítimas do motim e enquanto a Polícia segue investigando, o jornal assegura que já foram recuperados corpos de 21 pessoas, entre elas quatro civis, e que uma mais de 100 oficiais continuam desaparecidos.

A morte do general no comando foi confirmada por Kamruzzaman, que, embora ferido, sobreviveu aos tiroteios e contou à imprensa o ocorrido após abandonar o quartel depois de o Governo pôr fim à rebelião dos guardas.

O motim terminou nesta quinta-feira após quase 36 horas de tensão e negociações que incluíram a intervenção direta da primeira-ministra Sheikh Hasina, e a presença do Exército, que cercou os quartéis em vários pontos do país.

Os Bangladesh Rifles formam um corpo de quase 70 mil soldados, dependente do Ministério do Interior, que se ocupa fundamentalmente da vigilância de fronteiras, mas que também ajuda Exército e Polícia em situações extremas.

Por enquanto, 156 dos amotinados foram detidos por um batalhão especial da Polícia, que ontem tomou o controle do quartel dos Bangladesh Rifles. EFE daa/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG