Amostra de solo marciano recolhida pela Phoenix não pôde ser analisada

A primeira amostra de solo marciano recolhida pela sonda americana Phoenix com a ajuda de seu braço articulado parece ter ficado presa antes de chegar ao instrumento que deveria analisá-la, informaram neste fim de semana membros da missão.

AFP |

A amostra de permafrost de aproximadamente 200 mililitros havia sido coletada na quinta-feira e deveria ser depositada na abertura de um pequeno forno chamado TEGA ("Thermal and Evolved Gas Analyzer"). Uma vez lá ela seria progressivamente aquecida até chegar a mil graus, permitindo assim sua análise.

Antes que o forno se feche, o sistema deve dar um sinal confirmando que o material a ser analisado se encontra de fato em seu interior.

"O instrumento não confirmou que a amostra, ou uma parte dela que seja, passou pela peneira que fica em sua abertura", diz o site da missão da equipe científica da Universidade do Arizona, responsável pelo instrumento.

Imagens gravadas na sexta-feira mostram um punhado de solo marciano sobre a peneira do TEGA, que permanece com sua pequena porta aberta.

A função da tela é permitir a passagem de partículas do diâmetro de um milímetro e reter os pedaços mais grossos, que poderiam bloquear a entrada do forno.

Neste domingo, os cientistas da missão não haviam determinado ainda por que motivo nenhuma partícula da amostra havia entrado no TEGA.

js/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG