Amorim lamenta morte de diplomata brasileiro

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, enviou uma mensagem de condolências à família do diplomata brasileiro, Luiz Carlos da Costa, que era o representante adjunto das Nações Unidas no Haiti. O corpo do diplomata foi encontrado nos escombros da sede da ONU ontem.

Agência Estado |

"Tive a grande satisfação de conhecê-lo pessoalmente e, como brasileiro, acompanhei com orgulho sua brilhante trajetória nas Nações Unidas, especialmente em assuntos relacionados às missões de paz. No Haiti, testemunhei sua capacidade de liderança, sensibilidade para as dificuldades do povo haitiano e sentido de dever público", ressaltou Amorim.

Baixas

Neste domingo o Exército confirmou a morte do major Francisco Adolfo Vianna Martins Filho, que estava desaparecido na cidade de Porto Príncipe desde terça-feira, elevando para 15 o número de militares mortos no país.

Segundo nota divulgada pelo Comando do Exército Brasileiro, o major Adolfo desempenhava a função de observador militar da Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah).

Ainda não há data definida para que os corpos dos brasileiros mortos sejam trazidos para o Brasil. A assessoria de imprensa do Exército informou que tudo depende da liberação da ONU.

Além dos militares e do diplomata Luiz Carlos Costa, também morreu no Haiti a médica Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, ligada à Igreja Católica .

Feridos

Dezesseis militares provenientes do Haiti permanecem internados no Hospital Geral de São Paulo. O quadro clínico de todos é bom e estável, alguns com condições de alta hospitalar. Ao total, 25 militares brasileiros ficaram feridos no terremoto, sendo que nove ainda não retornaram ao Brasil.

Os militares que retornaram permanecerão internados até o término do período de quarentena, para a realização dos exames complementares previstos para os militares que participam da missão. Nenhum militar necessitou transferência para a Unidade de Terapia Intensiva.

A maioria, segundo o Exército, apresenta pequenas lesões sem gravidade (fraturas, entorses e escoriações) e todos estão recebendo cuidados de equipe multidisciplinar, visando um período de recuperação mais curto.

    Leia tudo sobre: brasilhaititerremoto no haiti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG