Brasília, 22 jul (EFE).- O ministro das Relações Exteriores Celso Amorim afirmou hoje que os golpistas hondurenhos só prolongam sua agonia, ao resistirem a restituir no poder o deposto Manuel Zelaya, como exige toda a comunidade internacional.

Amorim evitou comentar as intenções de Zelaya de retornar a Honduras, apesar da advertência do novo Governo de que será detido.

Porém, disse que o Brasil é "totalmente a favor" da volta do presidente hondurenho e que deseja que isso aconteça "por meios pacíficos".

Segundo o chanceler, "o Governo de fato, os golpistas, devem entender o clamor da comunidade internacional", que já se pronunciou contra da derrubada de Zelaya e a favor do imediato retorno dele ao poder.

Amorim disse que, aparentemente, "os únicos que pensam diferente são os golpistas", que para ele "só prolongam sua agonia" e acabarão causando "maiores prejuízos ao povo" hondurenho.

"É importante que os golpistas compreendam que podem melhorar muito a situação uma vez que aceitem a volta do presidente Zelaya", completou.

Zelaya foi deposto em 28 de junho e enviado à Costa Rica pelos militares. Seu cargo foi assumido pelo então titular do Congresso, Roberto Micheletti. EFE ed/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.