Americanos enfrentam longas filas para votar em todo o país

Washington, 4 nov (EFE).- Os cidadãos americanos enfrentam longas filas em todo o país desde a madrugada de hoje para participar de um pleito presidencial no qual se espera um número recorde de eleitores.

EFE |

Por enquanto, não há registro de problemas graves com os variados sistemas de votação que existem em todo o país.

Uma vez abertos os postos de votação em 48 estados e no Distrito de Colúmbia, as cadeias de televisão mostram imagens de cidadãos que foram cedo às urnas, mas que estão esperando em longas filas para poder votar.

No entanto, o candidato presidencial democrata, Barack Obama, e sua esposa Michelle, acompanhados por suas duas filhas, não tiveram que esperar muito para emitir seus votos em Chicago (Illinois).

Já o aspirante republicano à Casa Branca, John McCain, votará em Phoenix e depois fará os últimos atos eleitorais no Colorado e no Novo México.

Em vários distritos ocorreram alguns inconvenientes com os sistemas de votação - que nos Estados Unidos variam desde as cédulas aos votos eletrônicos - que causaram demoras no processo.

Dois eleitores no estado de Maryland disseram que a espera era de quase uma hora, enquanto em Virgínia Beach, na Virgínia, as filas se estendiam por várias quadras e as pessoas tiveram que esperar a sua vez debaixo de chuva.

Em Delaware, os eleitores chegaram a pé, em automóveis ou em bicicletas, e as filas de espera começaram a se formar uma hora antes da abertura dos postos de votação.

Neste estado, dezenas de eleitores já formavam fila na Tatnall School, de Greenville, quando pouco depois do início da votação o candidato democrata à Vice-Presidência, o senador Joe Biden, compareceu para votar.

No momento em que se iniciou o processo de votação, a rua da escola tinha uma fila que se estendia por quase oito quadras.

O jornal "The Observer", de Charlotte, na Carolina do Norte, afirmou que, uma hora e meia depois da abertura das sessões eleitorais, os eleitores esperavam de 30 a 90 minutos, situação parecida com as registradas nos condados vizinhos da Carolina do Sul.

"Eu acredito que esta eleição" entrará para "os livros de história, e eu quero ser parte disto", disse ao jornal o eleitor Mark Carter, que chegou à escola primária de Oakdale, em Charlotte, às 4h40 (7h40 de Brasília), duas horas antes da abertura da votação.

Em Ohio, um dos estados que podem decidir este pleito presidencial, os eleitores esperavam para emitir seu voto em uma manhã ensolarada, e o jornal "Cincinnati Enquirer" registrou uma participação sem precedentes em vários condados.

O mesmo ocorreu em Minnesota, onde os eleitores começaram a formar longas filas muito antes da abertura das sessões.

O secretário de Estado de Minnesota, Mark Ritchie, afirmou que mais de 80% dos eleitores poderiam participar hoje, e talvez o número até supere a participação de 83% do eleitorado registrada em 1956.

Em alguns distritos do estado de Nova Jersey, os eleitores tiveram que usar cédulas porque as urnas eletrônicas apresentaram problemas.

Já em um distrito na Virgínia, houve atraso na abertura da seção eleitoral porque a diretora de uma biblioteca encarregada desta tarefa dormiu.

Aproximadamente 50% dos milhões de cidadãos que forem às urnas hoje encontrarão métodos de votação que são inovadores no país.

Os dois partidos disponibilizaram milhares de advogados e observadores em todos os distritos para vigiar o pleito e garantir a transparência do processo. EFE jab/ab/jp

    Leia tudo sobre: eleições nos eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG