Uma americana está pedindo uma indenização de US$ 150 milhões do Departamento de Proteção Ambiental do Estado de Connecticut após ter sido gravemente ferida por um chimpanzé de quase 90 kg.

Charla Nash foi atacada em fevereiro, quando se prontificou a ajudar uma amiga a encontrar seu animal de estimação, batizado de Travis.

Ao descer de seu carro, Nash foi atacada pelo chimpanzé, sofrendo fraturas nos ossos e ferimentos nos olhos, nas mãos e no crânio. O ataque só terminou minutos depois, quando policiais mataram o animal a tiros.

O advogado de Nash, Charles Willinger, disse ao jornal Connecticut Post que o Departamento de Proteção Ambiental falhou ao não retirar o chimpanzé de sua dona, com quem viveu por quase 14 anos.

Segundo a estação de TV local WPIX, biólogos do departamento tinham alertado autoridades estaduais, antes do ataque, que o macaco poderia ferir pessoas gravemente caso se sentisse ameaçado.

A promotoria, no entanto, ainda vai analisar o pedido da vítima para decidir se haverá um processo contra o Estado.

"As alegações parecem ser sem precedentes em termos da gravidade do caso", disse o promotor Richard Blumenthal ao mesmo jornal.

Travis

Nash também está processando a amiga dona do chimpanzé, Sandra Herold.

Segundo o jornal The Advocate, de Connecticut, o macaco era conhecido pela comunidade e chegou a estrelar comerciais da Coca-Cola e da rede de lojas de roupas Old Navy. Em 2003 ele fugiu e chegou a ficar desaparecido por duas horas.

A legislação do Estado de Connecticut permite que as pessoas tenham animais de estimação. Travis era domesticado e sabia vestir-se e tomar banho sozinho.

No site Friends of Charlie Nash, lançado por sua família, sua irmã diz que não "culpa Travis pelo ataque".

"Ele é um animal que agiu como tal. Viver em uma gaiola é cruel para esses animais e os leva a um estado de tortura mental", afirma. Nash segue internada em um hospital em Cleveland, no Estado de Ohio.

Leia mais sobre chimpanzé

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.