América Latina tentará mostrar liderança na Assembléia Geral da ONU

NAÇÕES UNIDAS - Os países latino-americanos participam esta semana da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) buscando demonstrar uma liderança própria frente às grandes potências, que dominam as decisões deste fórum mundial desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

EFE |

Chefes de Estado e governo se concentram estes dias na sede da ONU em Nova York para analisar questões importantes da atualidade internacional, revisar o cumprimento a médio prazo dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) e manter uma intensa agenda bilateral.

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, se reuniu hoje com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, com quem analisou temas internacionais e a agenda da Assembléia Geral.

Os presidentes latino-americanos farão em seus discursos, a partir de terça-feira, uma firme defesa do multilateralismo e da reforma das Nações Unidas para refletir a nova realidade do mundo atual, segundo anteciparam em suas capitais.

O presidente da Assembléia Geral da ONU, o nicaragüense Miguel D'Decoto, disse ao assumir este mês seu cargo que batalhará para reformar o Conselho de Segurança para dar mais poder aos países em desenvolvimento.

O governo Brasileiro é o principal impulsor da reforma desse organismo entre os latino-americanos, pois busca um posto permanente, mas os interesses do país vão de encontro com os de Argentina e Venezuela, que temem um excesso de poder do Brasil.

Os dirigentes latino-americanos exporão na ONU os riscos para a região do atual terremoto financeiro mundial e a necessidade dos países ricos de aumentarem sua cooperação ao desenvolvimento com os de renda média.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva insistirá no multilateralismo como a melhor forma de reduzir a crise ambiental, de alimentos e energética e defenderá a promoção dos biocombustíveis como o etanol, já que o Brasil é o maior produtor mundial desse produto a partir da cana-de-açúcar, disseram fontes diplomáticas.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que em 2006 chamou George W. Bush de "diabo" preferiu viajar a Rússia e China para comprar aviões de combate e preparar o lançamento do primeiro satélite venezuelano.

Apesar da ausência do grande provocador dos Estados Unidos, alguns de seus principais aliados na região, como os presidentes de Bolívia e Nicarágua, são aguardados na ONU.

O chefe de Estado equatoriano, Rafael Correa, também não deverá estar presente por causa da campanha do plebiscito de domingo para uma reforma da Constituição que aumenta os poderes presidenciais e o controle do Estado sobre a economia.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, que enfrenta em seu país a crise mais aguda desde que assumiu o poder em 2005 devido às regiões autonomistas, pedirá a solidariedade internacional.

O nicaragüense Daniel Ortega antecipou um gesto de "boicote" aos EUA em solidariedade à Bolívia, com o anúncio de que não irá à reunião convocada por Bush com os países latino-americanos com os quais assinou tratados de livre-comércio.

A presença pela primeira vez neste fórum da presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, desperta muito interesse em um momento de tensão com Washington pelo julgamento em Miami sobre o chamado "Caso da Mala", que investiga um suposto financiamento irregular de sua campanha eleitoral.

O presidente mexicano, Felipe Calderón, com uma situação interna complicada pela onda de violência instigada por narcotraficantes, não está muito interessado em um posto permanente no Conselho de Segurança e se dedicará a destacar o risco do impacto da crise financeira mundial e da alta dos preços dos alimentos.

O bloco de países centro-americanos defenderá os pobres e pedirá aos EUA que alterem o prazo para deportações dos imigrantes ilegais.

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, terá sua primeira participação neste fórum internacional, com a intenção de expor sua política externa e pedir mais contribuições dos países ricos contra a pobreza.

Em paralelo, a presidente do Chile, Michelle Bachelet, convocou os 12 países que integram a União de Nações Sul-Americanas (Unasul) a buscarem um consenso sobre o secretário-geral do bloco regional e analisar as conseqüências da diretiva de retorno de imigrantes ilegais.

Na revisão do cumprimento dos Objetivos do Milênio para 2015, só o Chile cumpre por enquanto as oito metas básicas.

Na região, ainda há 190 milhões de pobres, dos quais 70 milhões vivem em situação extremamente precária.

Leia mais sobre ONU

    Leia tudo sobre: onu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG