Ameaça militar não é única forma de deter Irã, diz Gates

Em visita de cinco dias aos EUA, primeiro-ministro de Israel pressiona o governo americano por ações mais duras contra país persa

iG São Paulo |

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, afirmou nesta segunda-feira que a ameaça de ação militar não é a única forma de impedir que o Irã desenvolva uma bomba nuclear.

No domingo, o primeiro-ministro de Israel, Benyamin Netanyahu, inciou visita de cinco dias aos Estados Unidos na qual deve pressionar o governo Obama para ser mais duro com o país persa.

"Eu não diria que apenas uma ameaça militar possa convencer o Irã a adotar medidas para acabar com seu programa nuclear", afirmou Gates, durante entrevista coletiva na Austrália.

Para o secretário, a última rodada de sanções internacionais, aprovadas pela ONU este ano, atingem o Irã de forma mais dura do que o governo iraniano esperava. Segundo Gates, é preciso mais tempo para observar os resultados das sanções.

No domingo, Netanyahu participou de um encontro nos EUA com o vice-presidente americano Joe Biden. Segundo fontes políticas israelenses, o primeiro-ministro planejava dizer, durante a reunião, que apenas uma ameaça militar crível pode evitar que o Irã construa uma arma nuclear.

Netanyahu, que ficará cinco dias nos EUA, argumentaria que as sanções econômicas fracassaram em persuadir o Irã a suspender seu programa atômico. A pressão do premiê israelense estava prevista para ser feita em encontro com Biden às margens de uma conferência americana-judaica em Nova Orleans.

O duro discurso levantou especulações na mídia israelense de que Netanyahu estaria tentando tirar a atenção internacional do atual impasse das negociações entre Israel e palestinos.

Questionado sobre os comentários, uma autoridade israelense que viaja com Netanyahu disse que o primeiro-ministro, que deve se reunir quinta-feira com a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, em Nova York, pedirá em todos os seus encontros nos EUA por um aumento de pressão contra o Irã.

Um porta-voz disse que o líder de Israel também discutiria com Biden e Hillary formas de retomar as negociações de paz, que ficaram suspensas há cerca de três semanas por causa de uma disputa sobre a construção de assentamentos israelenses. Netanyahu não se encontrará com o presidente Barack Obama, que desde sábado realiza uma viagem de dez dias pela Ásia.

O Ocidente acredita que o Irã objetiva usar seu programa de enriquecimento de urânio para construir armas atômicas, e Israel e EUA disseram que todas as opções estão sobre a mesa para lidar com as ambições nucleares do país.

Mas Netanyahu já deixou claro que queria ver se duras sanções econômicas poderiam eliminar o que descreveu como uma ameaça à sua existência. Teerã nega querer produzir armas nucleares.

Derrota eleitoral

Após a perda do controle da Câmara para os republicanos nas eleições de 2 de novembro, alguns analistas indicaram que Obama teria de reduzir a prioridade atribuída ao conflito israelo-palestino e ao Irã. Mas o embaixador americano em Israel, James Cunningham, assegurou neste domingo em palestra em Tel Aviv que não haverá mudança.

Na Universidade de Bar-Illan, ele disse existir um acordo entre os dois grandes partidos dos EUA no sentido de que “as relações com Israel são sacrossantas. Os dois países compartilham dos mesmos valores, e os EUA continuarão empenhados na salvaguarda da segurança de Israel e no seu direito de existir como um Estado judeu e democrático”.

Em relação à advertência de Israel de que o Irã só propõe contínuas negociações para ganhar tempo, como fez novamente neste domingo, e por isso seria necessária uma ameaça militar, Cunningham indicou que os americanos não devem mudar sua estratégia de aplicar sanções contra o país.

O embaixador afirmou que os EUA continuarão trabalhando para impedir que o Irã venha a ter bomba e ajudarão Israel a se defender do partido xiita libanês Hezbollah e grupo radical islâmico palestino Hamas. Também prometeu que Washington continuará a ajudar Israel a manter sua superioridade armada qualitativa.

Analistas da mídia americana afirmam que a derrota do partido de Obama terá o efeito de endurecer a posição palestina quanto à paz. E que, enquanto não houver solução do conflito israelo-palestino, as questões do Iraque e Afganistão não se resolverão.

Ameaça do Hamas

No sábado, Mahmoud al-Zahar, um dos líderes do Hamas, declarou que os judeus serão expulsos dos territórios palestinos como no passado foram expulsos de inúmeros países. Em discurso em Gaza, Zahar apelou pela unidade dos palestinos, que estão divididos entre o partido laico Fatah, que predomina na Cisjordânia, e o Hamas, na Faixa de Gaza.

A divisão ocorreu quando o Hamas expulsou o Fatah do território há três anos. Os dois grupos farão nova tentativa de reconciliação na próxima semana em Damasco, capital da Síria. “Com uma só voz, com sangue, poderíamos libertar nossas terras e lugares sagrados.”

O governo Obama pediu à Autoridade Palestina de Mahmud Abbas, do Fatah, mais três meses para conseguir uma fórmula que permita a retomada das negociações de paz com Israel. Lideranças do Fatah querem ou uma declaração unilateral do Estado palestino ou pedir a interferência das Nações Unidas.

Com Reuters, AP e informações de Nahum Sirotsky, de Israel

    Leia tudo sobre: oriente médioirãisraeleuanetanyahuprograma nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG