Aluno mata 10 pessoas em escola da Finlândia e se suicida

Por Sakari Suoninen e Brett Young HELSINQUE (Reuters) - Um estudante matou a tiros dez pessoas em uma escola no norte da Finlândia, nesta terça-feira, antes de disparar contra si, no segundo ataque deste tipo no país em menos de um ano.

Reuters |

O atirador, identificado por uma autoridade local como Matti Juhani Saari, de 22 anos, morreu horas depois no Tampere University Hospital com um ferimento na cabeça.

Saari, como o estudante atirador da escola de ensino médio Jokela no ano passado, publicou vídeos ameaçadores na Internet várias semanas antes do ataque.

"Um atirador entrou no prédio com uma pistola automática e começou a disparar nos estudantes a sangue frio", disse Jukka Forsberg, um funcionário da manutenção da escola da cidade de Kauhajoki, onde o tiroteio aconteceu.

A ministra do Interior Anne Holmlund disse em uma entrevista coletiva que a polícia esteve em contato com Saari um dia antes do atentado.

Ela declarou que a polícia havia sido alertada por vídeos publicados na Internet que mostravam o estudante disparando com uma arma em um alvo, mas foi incapaz de alcançá-lo imediatamente.

"A polícia chegou a ele na segunda, dia 22 de setembro, e lhe solicitou uma conversa a respeito do vídeo", disse Holmlund. Ela ainda afirmou que Saari tinha um porte de arma temporário para a pistola e que este não foi retirado.

"DIA TRÁGICO"

As taxas de crime são baixas na Finlândia, mas a posse de armas está entre as mais altas do mundo.

"Vivemos um dia trágico", disse o primeiro-ministro Matti Vanhanen em uma coletiva de imprensa em Helsinque.

O governo finlandês disse que terapeutas estão à disposição e dando apoio aos estudantes, professores e parentes.

Uma busca no YouTube e na Internet como um todo revelou uma série de vídeos feitos por um usuário chamado "Mr. Saari," que mostram um homem vestido de preto ou com cores escuras disparando uma arma em um estande de tiro. Seu perfil trazia as palavras: "A vida toda é guerra e dor. E você vai lutar sozinho em sua guerra pessoal. Isto é guerra!".

As autoridades locais disseram que estudantes e funcionários foram retirados e que um princípio de incêndio na escola foi debelado.

Depois do tiroteio do ano passado, o governo tomou algumas medidas para endurecer as leis de porte de armas, e nesta terça-feira realizou um encontro de emergência com líderes dos partidos da coalizão de governo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG