Aluno acusado de expor encontro de colega gay é indiciado nos EUA

Jovem de 18 anos se matou ao saltar de uma ponte após ter sido filmado em uma relação homossexual

BBC Brasil |

selo

Um ex-aluno da Universidade Rutgers, no Estado de Nova Jersey, nos Estados Unidos, foi indiciado por usar uma webcam para gravar encontros homossexuais de seu colega de dormitório, que se matou após a divulgação dos vídeos.

O violinista Tyler Clementi, 18 anos, suicidou-se ao saltar de uma ponte em 22 de setembro do ano passado. Os estudantes Dharun Ravi e Molly Wei supostamente o filmaram durante um encontro íntimo com um homem.

O grande júri do Condado de Middlesex indiciou Ravi por 15 crimes, incluindo intimidação preconceituosa e invasão de privacidade.

Wei não foi citada pela promotoria - a denúncia diz que não seriam apresentadas acusações contra ela “neste momento”. Ela e Ravi deixaram a universidade após o suicídio.

Defensores de Ravi dizem que o vídeo capturado pela câmera foi transmitido para somente um computador e que a gravação não incluía cenas de sexo entre os homens.

Vídeo

AP
Dharun Ravi foi indiciado por 15 crimes
Em 19 de setembro, Ravi postou uma mensagem no Twitter que dizia: “Colega de dormitório pediu o quarto até meia-noite. Eu fui para o quarto da Molly e liguei minha webcam. Eu o vi dando um amasso com outro cara. Uhu”.

Naquela noite, segundo as autoridades, Ravi teria colocado o vídeo do encontro íntimo de Clementi na internet. No dia 21, outra mensagem postada por Ravi parece fazer referência a uma segunda tentativa de expor Clementi: “A todos com iChat: vocês precisam me encontrar online entre 9h30 e 12h. Sim, está acontecendo de novo”.

Não se sabe exatamente quando o violinista descobriu o que seu colega de quarto havia feito, mas o incidente teria se tornado a grande fofoca do dormitório.

Na noite do dia 22, o violinista pulou da ponte George Washington, que liga Nova Jersey ao estado de Nova York. No mesmo dia, ele havia recebido a notícia de que conseguira o tão sonhado lugar como violinista na orquestra sinfônica da universidade.

Organizações pró-gays dizem que o suicídio de Clementi é um exemplo de um problema nacional – jovens que se matam após sofrerem bullying devido a sua sexualidade.

‘Atos calculados’
As acusações ocorreram após a família de Clementi pedir uma investigação criminal sobre o caso.
“O indiciamento pelo grande júri detalha atos frios e calculados contra nosso filho Tyler por seu ex-colega de quarto”, disse a família Clementi, num comunicado.

“Estamos ansiosos para que o processo resulte em justiça para esse caso e para reforçar os padrões de conduta aceitável na nossa sociedade.”

Ravi já enfrentava uma acusação por invasão de privacidade, assim como Wei.

    Leia tudo sobre: alunosmorteshomossexualeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG