Altos executivos da AIG concordam em devolver bônus

O procurador-geral do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, afirmou nesta segunda-feira que nove dos 10 executivos que receberam os maiores bônus da seguradora AIG (American International Group) concordaram em devolver os prêmios. Cuomo também afirmou que entre os 20 executivos da empresa que receberam os maiores bônus, 15 já concordaram em devolvê-los.

BBC Brasil |

Este total equivale a cerca de US$ 30 milhões.

Segundo ele, até o momento, os empregados da seguradora que passa por dificuldades financeiras concordaram em devolver US$ 50 milhões do total de US$ 165 milhões em bônus pagos pela empresa no último dia 15 de março.

Deste total, aproximadamente US$ 80 milhões (47%), foram pagos a cidadãos americanos que trabalham na companhia. Cuomo afirmou esperar recuperar todo este montante.

"Eu gostaria de dizer a estes indivíduos que devolveram o dinheiro que eles fizeram a coisa certa", afirmou Cuomo, que está investigando a AIG e outras instituições financeiras.

"Vocês fizeram o que este país precisa. Vivemos uma nova era de responsabilidade corporativa e individual. Eu agradeço por estarem dando um exemplo ao resto da companhia".

Cuomo ainda afirmou que não pretende divulgar os nomes dos empregados da AIG que concordaram em devolver as compensações.

O pagamento dos prêmios aos executivos da AIG causou uma grande polêmica nos Estados Unidos, já que, desde setembro do ano passado, o governo americano injetou mais de US$ 170 bilhões para ajudar a empresa, que passa por dificuldades.

A seguradora anunciou que teve um prejuízo de US$ 61,7 bilhões nos últimos três meses de 2008, a maior perda trimestral já registrada na história corporativa dos Estados Unidos.

A eventual falência da AIG poderia ter um efeito catastrófico, uma vez que diversas instituições financeiras americanas possuem seguros junto à empresa.

O escândalo do pagamento de prêmios aos executivos da companhia fez com que, na última quinta-feira, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovasse uma medida que prevê a taxação de 90% nos bônus de empresas que receberam ajuda do governo.

Mas o presidente dos EUA, Barack Obama, já afirmou que esta medida seria inconstitucional.

O próprio Obama, no entanto, afirmou na semana passada que o pagamento de compensações aos executivos da empresa representa ''um uso inadequado do dinheiro dos contribuintes''.

O líder americano acrescentou que ''igualmente ultrajante é o fato de que nós estejamos tendo que limpar a bagunça deixada pela AIG''.

''Eles estão certos de estar com raiva. Eu estou com raiva'', afirmou o presidente.

Cerca de 400 empregados da AIG receberam no último dia 15 compensações que vão de US$ 1.000 a até mais de US$ 6 milhões.

Sete altos executivos receberam prêmios de mais de US$ 3 milhões, enquanto 73 empregados receberam bônus de mais de US$ 1 milhão.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG