Altos cargos que teriam ligação com Baath são libertados no Iraque

Bagdá, 20 dez (EFE).- O ministro do Interior iraquiano, Jawad al-Bouani, anunciou a libertação sem acusações dos oficiais de Polícia e funcionários de seu departamento recentemente detidos por causa da suposta vinculação com o partido Baath de Saddam Hussein, e reiterou que não foram detidos por planejar um golpe de Estado.

EFE |

Em declarações ao canal de televisão iraquiana "Al Iraqiya", retransmitidas na sexta-feira à noite, Bulani disse que "as informações dos serviços de inteligência nas quais foi baseda a detenção indicavam que planejavam realizar uma ação violenta contra o edifício (do ministério)" Bulani negou categoricamente que a detenção estivesse relacionada a uma tentativa de golpe, como informou a imprensa em um primeiro momento.

Segundo Bulani, a libertação aconteceu depois que ficou comprovado que os relatórios apresentados pelos serviços de inteligência não eram corretos.

O ministro, que não precisou o número de detidos, disse que vários eram funcionários civis aposentados do Ministério do Interior e outros oficiais da Direção de Trânsito, e inclusive afirmou que um dos supostos golpistas estava internado há meses em um hospital.

Durante a entrevista, o ministro acusou a "elementos" dentro e fora do país, que não especificou, de terem inventado as informações sobre uma conspiração, com a intenção de desestabilizar o país, depois que o Governo conseguiu impor a segurança.

Também comentou que seria aberta uma investigação para esclarecer que pessoas ou instituições nacionais ou estrangeiras estavam por trás destas informações.

O jornal "The New York Times", citando fontes de segurança em Bagdá, informou há dois dias que até 35 altos funcionários do Ministério do Interior iraquiano tinham sido detidos nos últimos três dias, acusados de querer reconstituir o partido Baath do derrubado e executado ditador Saddam Hussein.

Segundo o jornal, alguns dos detidos se encontravam na fase inicial de planejamento de um golpe de Estado. EFE ah/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG