Bogotá, 26 ago (EFE).- O alto comissário para a Paz na Colômbia, Luis Carlos Restrepo, denunciou hoje ter recebido ameaças de morte do narcotraficante Daniel Rendón Herrera, conhecido como Don Mario, um dos homens mais procurados do país e requerido pelos Estados Unidos.

Segundo Restrepo, "seu trabalho como funcionário do Governo, impediu os delitos de Don Mario".

A denúncia foi registrada por Restrepo em uma carta dirigida ao diretor da Unidade de Justiça e Paz, Luis González, com cópias para a Secretaria de Segurança da Presidência colombiana, e ao diretor da Polícia, general Óscar Naranjo.

Na carta, Restrepo questiona se existe uma ação arquitetada por grupos emergentes e desmobilizados das AUC (Autodefesas Unidas da Colômbia) para atentar contra sua vida, lesar a honra e a dignidade.

Don Mario é irmão do chefe paramilitar desmobilizado Freddy Rendón Herrera, conhecido como "El Alemán", ex-comandante do chamado Bloco Elmer Cárdenas das AUC, e atualmente detido.

Na semana passada foi cassado Guillermo León Valencia Cossio, irmão do atual ministro do Interior e de Justiça, Fabio Valencia Cossio, como diretor de Procuradorias nas cidades de Medellín (noroeste) e Tunja (centro), por sua suposta proximidade com "Don Mario", um dos homens mais procurados da Colômbia.

Na mesma carta, o Alto Comissariado para a Paz pediu para que fosse dita a verdade sobre o recrutamento de menores revelado em um trâmite judicial.

Nesse caso, anotou Restrepo, devem ser estabelecidas "as responsabilidades penais nos requisitos da Lei de Justiça e Paz", marco legal dos desmobilizados. EFE rrm/bm/gs

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.