Atentados seriam realizados no 10º aniversário do 11 de Setembro, de acordo com material obtido em esconderijo de Bin Laden

A rede terrorista Al-Qaeda planejava ataques contra trens nos Estados Unidos por ocasião do décimo aniversário dos atentados do 11 de Setembro, informou nesta quinta-feira o Departamento de Segurança Interna americano, quatro dias após a morte de Osama Bin Laden.

"O Departamento de Segurança Interna divulgou um boletim nesta quinta-feira para as agências federais" e as polícias dos Estados e Condados "advertindo sobre possíveis planos da Al-Qaeda (...) para atacar o setor ferroviário americano", disse o porta-voz Matt Chandler.

"Em fevereiro de 2010, a Al-Qaeda planejava operações terroristas contra trens em regiões não especificadas dos Estados Unidos por ocasião do 10º aniversário do 11 de setembro de 2001", afirmou Chandler.

Segundo o porta-voz, a informação provém do material capturado na operação de domingo passado, no Paquistão, que levou à morte do líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden. "Já havia um certo nível de planejamento, mas não havia informação sobre possíveis locais ou alvos específicos", destaca o boletim. A Al-Qaeda "tentaria tombar um trem através de sabotagem dos trilhos, fazendo-o despencar de uma ponte ou cair num vale".

O Departamento de Segurança Interna explicou que a Al-Qaeda já havia, inclusive, apurado informações sobre os novos sistemas de trens de carga nos Estados Unidos, nos quais as novas tecnologias tornam mais difícil fazê-los sair do trilho.

A Administração de Segurança do Tranporte (TSA, na sigla em inglês) irá fazer um alerta formal às companhias ferroviárias em breve.

Nova York

Quatro dias depois da morte de Bin Laden, o presidente americano, Barack Obama, referiu-se nesta quinta-feira à morte do líder da Al-Qaeda como uma mensagem aos terroristas de que os EUA nunca esquecerão os ataques de 11 de Setembro de 2001.

Falando durante uma parada não programada em um batalhão do Corpo de Bombeiros de Manhattan logo após chegar a Nova York , Obama disse que a morte de Bin Laden enviou uma mensagem. "Quando dizemos que nunca vamos esquecer, falamos sério", disse Obama na frente de um caminhão dos bombeiros.

O presidente elogiou os bombeiros por seu trabalho no dia 11 de Setembro de 2001, quando se dirigiram ao World Trade Center em uma operação difícil e perigosa para resgatar pessoas presas nas Torres Gêmeas, alvos dos ataques de militantes da Al-Qaeda. "Esse é um local simbólico do sacrifício extraordinário que foi feito naquele dia terrível, há quase 10 anos", afirmou Obama na estação de bombeiros que perdeu 15 de seus homens durante o socorro às vítimas.

Acompanhado de Rudolph Giuliani, que era prefeito de Nova York na época dos atentados, Obama disse que a morte de Bin Laden mostra que os Estados Unidos mantiveram a palavra de levar os culpados pelos atentados à Justiça.

Além do batalhão do Corpo de Bombeiros, o presidente visitou uma delegacia de polícia e participou de uma cerimônia em homenagem às vítimas dos atentados, dos quais Bin Laden era considerado o principal mentor. Após a cerimônia, na qual foi depositada uma coroa de flores no memorial que está sendo construído no local, o presidente se reuniu com alguns familiares das vítimas e também com pessoas que participaram nos esforços de ajuda logo após os ataques.

Obama também conversou rapidamente com com parentes dos mortos nos atentados, bombeiros e policiais envolvidos nas operações de ajuda às vítimas.

Na sexta-feira Obama irá se encontrar com integrantes da força de elite que matou Bin Laden, os Seals da Marinha americana.

*Com AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.