Al-Qaeda da Península Arábica assume responsabilidade por pacotes

Pacotes-bomba iam do Iêmen para os Estados Unidos quando foram interceptados em Dubai e no Reino Unido

iG São Paulo |

O braço da rede terrorista Al-Qaeda no Iêmen, a Al-Qaeda na Península Arábica, assumiu a responsabilidade pelo envio de pacotes-bomba aos Estados Unidos.

De acordo com o grupo de vigilância dos portais islâmicos SITE, nesta sexta-feira, o braço da Al-Qaeda postou a mensagem em fóruns da internet sobre "jihad" e pediu mais pacotes-bomba para "aumentar o círculo de suas aplicações e incluir aviões civis do Ocidente, assim como aviões de carga".

Na sexta-feira passada, oficiais de inteligência conseguiram interceptar dois pacotes-bomba, que haviam sido enviados do Iêmen com destino a Chicago, nos Estados Unidos. Um dos embrulhos suspeitos foi descoberto em Dubai e o outro no Reino Unido.

A descoberta levou EUA, Reino Unido e Oriente Médio a emitirem alertas. Em pronunciamento, o presidente americano, Barack Obama, admitiu que os pacotes continham material explosivo e classificou-os como uma ameaça terrorista real.

Braço

A Al-Qaeda da Península Arábica é considerado atualmente uma das principais fontes de propaganda e recrutamento da rede terrorista. Autoridades creem que sejam cerca de 300 membros, compostos por jihadistas veteranos do Iraque e Afeganistão, além de militantes da Arábia Saudita e Somália.

O governo iemenita tem aumentado suas operações antiterroristas com ajuda militar e de inteligência dos Estados Unidos.

Dentre os objetivos do grupo no Iêmen, local de nascimento do pai de Osama bin Laden, está o de atacar ocidentais e derrubar a família real saudita, aliada dos EUA. Seu líder, Nasir al-Wahashy, aconselha militantes a lançar ataques mais simples, com bombas improvisadas.

*Com AFP

    Leia tudo sobre: iêmenterroristasal-qaedaeuaamericanospacotes-bomba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG