Alimentos contaminados com melamina detectados em países da UE

BRUXELAS - Bélgica, Holanda e Reino Unido notificaram a Comissão Européia (CE) sobre a detecção de lotes de alimentos chineses - como balas ou biscoitos - com vestígios de melamina.

Redação com agências internacionais |

Tratam-se de produtos com índices de melamina acima do permitido pela UE (2,5 miligramas por quilo de produto), por isto devem ser destruídos, embora contenham vestígios inferiores aos encontrados na China em produtos lácteos que provocaram as intoxicações de milhares de pessoas, informaram hoje fontes da CE.

Na Bélgica, a Agência Federal Belga para a Segurança da Cadeia Alimentar (AFSCA) confirmou esta semana a detectação de lotes de balas da marca White Rabbit contaminados com melamina, acima dos 2,5 miligramas por quilo.

Segundo a AFSCA, a venda destes produtos já tinha sido proibida e os consumidores que os haviam comprado anteriormente foram aconselhados a não os comerem.

A White Rabbit é a marca das balas que foram retirados há alguns dias de várias cidades espanholas, como Sevilha ou Madri, suspeitas de conter melamina.

Por outro lado, a Holanda notificou a CE que encontrou biscoitos de chocolate e castanhas também contaminados com melamina. As autoridades holandesas retiraram do mercado todos os lotes.

Tanto na Holanda como no Reino Unido os biscoitos com vestígios desta substância são da marca chinesa Lotte Koala, que por outro lado foram retiradas na Austrália ou em Hong Kong.

No Reino Unido, a Agência britânica de Padrões na Alimentação (FSA, na sigla em inglês) alertou ao público sobre os biscoitos Lotte Koala, por encontrar lotes que contêm melamina também acima dos níveis fixados pela União.

Segundo a FSA, estes biscoitos estão sendo retirados do mercado para serem destruídos. O produto chegou a supermercados chineses e estabelecimentos no varejo de todo o Reino Unido.

Fontes da CE disseram que todas estas informações provam que os controles impostos na União Européia (UE) "funcionam", assim como as medidas que são aplicadas para evitar que cheguem da China ao mercado europeu produtos contaminados.

A UE proíbe a entrada de produtos lácteos da China e desde a última semana veta a importação de alimentos exclusivamente infantis deste país.

Melamina na Áustria

Autoridades austríacas revelaram nesta quinta-feira que encontraram um lote de bebida chinesa fabricada com leite adulterado com melamina, importado e comercializado ilegalmente.

"Trata-se de um pequeno lote importado ilegalmente, cujo conteúdo não apresenta risco para os consumidores adultos", indicou à AFP um porta-voz do ministério da Saúde da Áustria, Markus Leitner.

Este produto foi encontrado durante um controle em um restaurante chinês em Estiria (sul). O lote havia sido comercializado por um estabelecimento comercial em Viena e já foi retirado do mercado.

"O proprietário do restaurante disse que comprou este produto para seu consumo pessoal e não foram encontradas outras mostras nas duas lojas", disse Leitner.

Exportações proibidas

As autoridades chinesas se comprometeram a não exportar mais laticínios até que a segurança dos produtos esteja garantida, após o escândalo do leite adulterado com melamina, anunciou uma fonte do governo do Japão.

A informação foi divulgada na terça-feira, em uma reunião de um alto funcionário da agência de controle sanitário da China com diplomatas estrangeiros, segundo a fonte japonesa, que pediu anonimato.

As autoridades chinesas anunciaram na quarta-feira ter detectado a presença de melamina em 12% dos produtos a base de leite em pó. Esta substância tóxica afetou 53.000 crianças e provocou a morte de quatro bebês em toda a China.

*Com EFE e AFP

Leia mais sobre leite adulterado

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG