Alemão teria afirmado sofrer de câncer para ser morto

Um alemão de 32 anos confessou ter esfaqueado até a morte seu amigo de 40 anos, depois que este lhe implorou para ser morto afirmando ter um câncer em estado avançado. O crime ocorreu no apartamento da vítima, na cidade de Oer-Erkenschwick, no oeste da Alemanha.

BBC Brasil |

Os legistas, porém, não encontraram nem tumor nem qualquer outra doença séria no cadáver.

Os investigadores afirmaram acreditar na versão do suposto assassino, baseados em depoimentos de outras seis pessoas, incluindo parentes e vizinhos do morto.

Os familiares confirmaram que a vítima, identificada como Achim K., vinha afirmando desde o Natal que tinha com um tumor incurável.

Ele também falava frequentemente em morte nas últimas semanas, ainda conforme os parentes.

A procuradoria de Justiça trabalha com a hipótese de que a vítima teria forjado a doença para persuadir o conhecido a matá-lo.

O suposto assassino confessou o crime nesta quinta-feira, afirmando que Achim K. pedia insistentemente para ser morto. As facadas teriam sido desferidas na madrugada do mesmo dia, depois de horas de intensa discussão.

Logo após o crime, ele mesmo ligou para os bombeiros, que alertaram a polícia.

Os pais de Achim K., parentes e o círculo de amigos tinham acreditado na suposta doença que ele dizia estar sofrendo.

Ele já havia tentado suicídio no ano passado, tendo posteriormente recebido tratamento psiquiátrico durante semanas.

Desde o começo do ano, Achim K. vinha, segundo testemunhos, expressando repetidas vezes vontade de morrer.

Com base nos depoimentos, a polícia decidiu liberar o suposto assassino após interrogatório, para que ele responda processo em liberdade.

    Leia tudo sobre: cancer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG