Alemão confessa liderar grupo que planejava ataques na Europa

Berlim, 10 ago (EFE).- O alemão convertido ao islamismo Fritz Gelowicz, de 29 anos, confessou hoje à Justiça ser o líder do Quarteto de Sauerland (oeste da Alemanha), célula terrorista desarticulada que planejava praticar atentados em série contra alvos dos Estados Unidos na Europa.

EFE |

Gelowitz rompeu o silêncio no julgamento contra o grupo que acontece em Dusseldorf. Durante uma audiência, ele contou o longo caminho que começou a seguir em janeiro de 2005, com sua peregrinação a Arábia Saudita, Síria, Istambul e Paquistão, e como acabou preso.

Ao ser desmantelado em 4 de setembro de 2007, o grupo tinha 730 quilos de explosivos e 26 detonadores armazenados numa casa na região de Sauerland.

Na confissão, o radical deu detalhes do treinamento recebido num campo Al Qaeda no Waziristão, onde passou três meses se especializando em explosivos.

Ainda que o primeiro objetivo de Gelowicz tenha sido se juntar à jihad (guerra) contra as tropas americanas no Iraque, ele decidiu retornar à Alemanha e organizar uma célula ao lado de Adem Yilmaz e Atila Selec, dois alemães de origem turca, e Daniel Schneider, outro alemão convertido ao islamismo.

Seu chefe direto, identificado como "Ahmed", falou-lhe sobre as dificuldades que a Al Qaeda encontrou para recrutar europeus dispostos a organizar ataques na Europa e também da complexidade da realização de atentados contra americanos no Afeganistão.

Gelowicz, filho de uma médica e um empresário, voltou à Alemanha certo de que, "com poucas dificuldades", ele e os companheiros "conseguiriam levar adiante os planos de organizar atentados de grande envergadura".

No julgamento, Gelowitz foi o primeiro do grupo a falar. Nas semanas anteriores, eles, que têm entre 23 e 30 anos, deram depoimentos individuais a agentes do Departamento Federal de Criminalística (BKA).

Segundo informações que vazaram à imprensa, os membros do quarteto teriam admitido as acusações de pertencer a União para a Jihad Islâmica e de terem passado por campos de treinamento no Paquistão.

Segundo a acusação, o grupo planejava quatro atentados simultâneos, provavelmente no aniversário do 11 de setembro. A intenção deles seria causar danos maiores que os dos ataques de Nova York, Madri e Londres.

O grupo foi desmantelado pelo BKA em 4 de setembro de 2007, quando tinham material para os atentados e teriam recebido ordens do Paquistão para atacar.

As acusações se baseiam em 30 horas de escutas telefônicas que indicam que eram planejados três atentados com carros-bomba e outro não especificado. EFE gc/fk/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG