Alemanha: Wolfgang Clément deixa SPD após criticar aproximação com esquerda

Berlim, 25 nov (EFE).- O ex-ministro da Economia da Alemanha, Wolfgang Clément, abandonou hoje o Partido Social-Democrata alemão (SPD) após quase 40 anos de militância, em protesto pela admoestação recebida por ter criticado seu grupo por se aproximar da legenda A Esquerda.

EFE |

Clément, ministro da Economia quando Gerhard Schröder estava na Chancelaria, comunicou hoje sua decisão com efeitos imediatos, após ontem a liderança do SPD rebaixar a uma simples admoestação a decisão de o expulsar por deslealdade previamente adotada por sua representação renana.

"Minhas razões são, em primeiro lugar, a humilhação ao direito fundamental à liberdade de opinião que representa a admoestação pública", declarou Clément em comunicado divulgado hoje.

"Em segundo lugar, que a direção do partido não só não se distanciou claramente da Esquerda, mas se propõe inclusive a uma colaboração nos estados federados com este partido, apesar de sua vinculação à Stasi", afirma o ex-primeiro-ministro da Renânia do Norte-Westfália.

A representação renana do SPD decidiu pela expulsão em julho, após as críticas de Clément realizadas em artigo à política energética do líder do partido no estado federado de Hesse, Andrea Ypsilanti, em plena campanha eleitoral neste estado.

O pleito de Hesse acabou com o empate entre o SPD e a União Democrata-Cristã (CDU), ao qual se seguiram negociações para formar uma coalizão com os Verdes apoiada pela Esquerda, partido que reúne ex-social-democratas e pós-comunistas.

As declarações de Clément causaram grande polêmica e foi aberto um procedimento de expulsão, algo insólito na formação.

Em favor de Clément intercedeu o então presidente do SPD, Kurt Beck, e depois seu sucessor no comando do partido, Franz Müntefering, que recordaram sua trajetória dentro do partido.

"É uma lástima que não continue no partido, haveria um lugar para ele", comentou hoje laconicamente Müntefering, que acrescentou que a decisão agora não apaga sua longa contribuição ao SPD. EFE gc/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG