Alemanha tem contração econômica recorde no 1o tri

BERLIM (Reuters) - Quedas recordes nas exportações e nos investimentos levaram a economia da Alemanha no primeiro trimestre à maior retração desde a reunificação em 1990, enquanto o gasto do consumidor ajudou a amenizar o choque. Confirmando uma divulgação preliminar, a agência federal de estatísticas disse nesta terça-feira que o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 3,8 por cento sobre o quarto trimestre e 6,7 por cento ante o primeiro trimestre de 2008.

Reuters |

Ambos os números são os piores desde a reunificação alemã.

"A única coisa boa sobre o número do PIB é que agora eles podem ser arquivados", disse Carsten Brzeski, economista do ING Financial Markets. "Só pode ficar melhor."

Indicadores antecedentes divulgados nas últimas semanas sugerem que o ritmo da desaceleração econômica perdeu força desde o primeiro trimestre.

Uma pesquisa antecendente da empresa de pesquisa GfK mostrou nesta terça-feira que a confiança do consumidor do país deverá ficar estável em junho pelo quarto mês consecutivo.

Mas no primeiro trimestre, além dos dados de consumo, os componentes do PIB alemão ofereceram poucos motivos para otimismo.

As exportações declinaram 9,7 por cento na comparação trimestral e o investimento recuou 7,9 por cento. Já o consumo privado aumentou 0,5 por cento.

O comércio líquido subtraiu 2,2 pontos percentuais do PIB no primeiro trimestre, enquanto o investimento bruto tirou 1,5 ponto.

O analista da UniCredit Alexander Koch disse que a retração manufatureira provavelmente diminuiu desde o primeiro trimestre. "Por outro lado, o consumo privado não deverá dar suporte ao crescimento nos próximos trimestres", acrescentou ele.

(Por Dave Graham)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG