Pela primeira vez no mundo, foi realizado um transplante de dois braços inteiros, anunciou nesta sexta-feira a Clínica Universitária de Munique (sul da Alemanha).

O transplantado, um agricultor alemão de 54 anos, "está bem, considerando-se as circunstâncias", após uma operação de 15 horas, nos dias 25 e 26 de julho, anunciou um porta-voz da clínica, Klinikum rechts der Isar.

Transplantes de mãos e antebraços sem cotovelo já haviam sido realizadas no mundo, mas nunca de um braço inteiro.

A dificuldade desta operação reside em particular na necessidade de transplantar muita medula óssea, muito presente no braço em relação à mão, por exemplo.

O paciente deve esperar pelo menos dois anos antes de ter "realmente sensações até a ponta dos dedos" porque os nervos devem primeiro se desenvolver, indicou a porta-voz da clínica.

O agricultor havia sido amputado de seus dois braços até os ombros num acidente de trabalho há seis anos. Após tentar sem sucesso duas vezes usar próteses artificiais, ele decidiu recorrer à clínica especializada em cirurgia plástica e mãos.

Uma equipe de 40 pessoas especializadas em microcirurgia e transplante participou desta operação inédita sob a direção dos professores alemães Christoph Höhnke e Edgar Biemer e com o apoio do presidente da Clínica Hans-Günther Machens, destacou um comunicado.

Após ter encontrado na noite de 25 de julho um doador da mesma idade, sexo, grupo sanguíneo e quase do mesmo tamanho e cor de pele que o interessado, a equipe se dividiu em cinco grupos em dois blocos operatórios, um para o doador morto, outro para o paciente.

Em cada bloco, havia uma equipe por braço enquanto que o quinto grupo tirava a veia de uma perna do doador para substituir uma veia do cotovelo esquerdo do agricultor, explicou Christoph Höhnke em entrevista à imprensa.

Como o doador e o paciente eram de estaturas um pouco diferentes, "a adaptação exata da forma dos ossos foi um verdadeiro desafio", comentou aos jornalistas um dos cirurgiões, Ulrich Stöckle.

Após a operação, a mulher do paciente foi visitá-lo, pegou-o pelas mãos e lhe disse: "Elas são como antes", contou Christoph Höhnke.

A preparação durou vários anos: o paciente passou por vários exames médicos, em particular de resistência ao enfraquecimento significativo do sistema imunológico que provoca um transplante como este, de seu estado físico e seu ambiente social, e procura de um doador.

Ainda resta supervisionar os problemas de rejeição e a reeducação dos membros transplantados.

Cerca de 40 transplantes de mão já foram realizados no mundo desde a primeira, em Lyon (França), em 1998, pelo professor Jean-Michel Dubernard.

Em 14 de janeiro de 2000, o mesmo Dubernard realizou o primeiro transplante de duas mãos e da parte inferior dos antebraços. A operação durou 17 horas com a participação de 50 especialistas.

gsw/lm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.