Berlim, 21 abr (EFE).- Começou hoje em Jamlitz, no leste da Alemanha, a busca por uma antiga vala comum de prisioneiros judeus, mortos durante o Governo nazista Segundo Jörg Schönbohm, ministro do Interior do estado federado de Brandeburgo, onde fica Jamlitz, a vala, com 5 mil metros quadrados de superfície, pode conter os restos mortais de 753 judeus assassinados.

As informações reunidas até agora dão conta de que eles ficaram presos no campo de concentração de Sachsenhausen, ao norte de Berlim, e que foram fuzilados em Jamlitz, em 2 de fevereiro de 1945 por membros da SS nazista.

As escavações podem durar três semanas e, caso sejam encontrados restos mortais, o local deve se transformar em ponto de "lembrança silenciosa" das vítimas, que procederiam originariamente da Polônia e da Hungria.

Peter Fischer, membro do Conselho Central dos Judeus na Alemanha, expressou hoje sua alegria pelo início dos trabalhos de escavação, que oferecem a possibilidade de reparar "a perda de muitos judeus".

Segundo a Fundação de Memoriais de Brandeburgo, 1.342 presos do campo de Sachsenhausen foram mortos em Jamlitz, em 1945.

Os restos mortais da metade deles foram encontrados entre 1958 e 1971, sob uma pedreira de cascalho em Staakow. EFE nvm/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.