Alemanha multará quem divulgar pesquisas de boca-de-urna pelo Twitter

Berlim, 31 ago (EFE).- O presidente do Parlamento alemão, Norbert Lammert, e o da Comissão Federal Eleitoral, Roderich Egeler, falaram hoje contra a divulgação pelo Twitter das pesquisas de boca-de-urna antes do fechamento das urnas, sob pena de multas de até 50 mil euros.

EFE |

Difundir este tipo de informação antes do encerramento das votações, como ocorreu neste domingo nas eleições regionais realizadas em três estados federados alemães, pode influir nos resultados do pleito e, portanto, é anticonstitucional, afirmou Lammert.

Egeler advertiu que, diante da experiência do pleito de domingo, serão tomadas "enérgicas medidas" para evitar que ocorra algo parecido nas eleições gerais de 27 de setembro.

O responsável pela Comissão Eleitoral pressionou os institutos de pesquisa a "extremar as precauções" para evitar que as informações obtidas em suas pesquisas cheguem ao Twitter ou a outras redes virtuais.

"Seja por meio do Twitter ou de outro canal de informação, a regra é clara: antes do fechamento dos colégios eleitorais, não é permitido divulgar pesquisas de boca-de-urna nem nenhum tipo de projeção", acrescentou Egeler.

A comissão eleitoral do estado federado da Saxônia, um dos três onde houve eleições, abriu investigações sobre os vazamentos de informação registrados ontem. As pistas parecem conduzir ao Twitter de um político local da União Democrata-Cristã (CDU).

Os diversos veículos de imprensa alemães aguardaram rigorosamente até o horário marcado para o fechamento dos colégios eleitorais, 13h (hora de Brasília), para divulgar as primeiras pesquisas de boca-de-urna.

Neste domingo, no entanto, quase uma hora antes disso, começaram a circular pelo Twitter supostos resultados das pesquisas de boca-de-urna.

Esse tipo de dado é fornecido algumas horas antes para um círculo reduzido de políticos e jornalistas para que preparem suas informações.

Fontes das emissoras públicas de televisão ARD e ZDF negaram hoje que as informações tenham vazado de suas redações.

A comissão eleitoral afirmou que o montante da multa não depende de uma possível interferência da divulgação dos dados nos resultados, mas que é inerente ao mero fato da difusão das informações, inclusive em casos de pura especulação. EFE gc/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG