O governo alemão chegou a um acordo sobre um plano de resgate de US$ 70 bilhões para salvar um dos maiores bancos do país, o Hypo Real Estate, que está à beira da falência, segundo o Ministério das Finanças do país. O governo e outros bancos alemães conseguiram reunir US$ 20 bilhões extras depois do colapso, no sábado, de um plano inicial de resgate.

"Com esse acordo, a instituição (Hypo Real Estate) será estabilizada e, com isso, a Alemanha ficará fortalecida como um lugar para se conduzir finanças em tempos de crise", disse o comunicado do ministério.

A notícia do acordo foi divulgada horas depois de a chanceler alemã, Angela Merkel, ter dito que iria fazer de tudo para salvar o banco, o segundo maior provedor de hipotecas da Alemanha.

"O governo não permitirá que a crise em uma instituição afete o restante do sistema bancário do país", disse Merkel durante uma coletiva de imprensa.

Depósitos

O governo alemão também havia anunciado neste domingo que irá garantir os fundos de todas as contas privadas de poupança do país.

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que nenhum cidadão deve temer pela segurança de suas poupanças.

"Nós queremos dizer a todos os que têm contas de poupança que seus depósitos estão seguros. O governo federal está garantindo isso", disse Merkel.

Mas o editor de negócios da BBC Robert Peston diz que não está claro se o anúncio significa uma garantia de 100% de todos os depósitos.

Se esse for mesmo o plano, outros países da União Européia - incluindo a Grã-Bretanha - teriam de seguir o exemplo da Alemanha, diz Peston.

O Tesouro britânico está tentando esclarecer os detalhes da garantia aos depósitos anunciada pela Alemanha.

Na semana passada, uma decisão similar anunciada pela Irlanda provocou tensões dentro da União Européia.

A própria Angela Merkel havia criticado a decisão da Irlanda e da Grécia, que adotou medida semelhante.

Europa

Enquanto isso, o banco francês BNP Paribas concordou em comprar 75% das operações do grupo Fortis na Bélgica e em Luxemburgo. A decisão vai resultar em uma das maiores instituições financeiras do continente.

Em troca, os governos da Bélgica e de Luxemburgo passarão a ter um interesse minoritário do BNP Paribas. O braço holandês do Fortis foi nacionalizado pelo governo da Holanda.

No sábado, líderes das maiores economias da Europa afirmaram que irão trabalhar juntos para oferecer apoio ao sistema financeiro, mas não chegaram a anunciar nenhum plano de resgate europeu nos moldes do pacote aprovado pelos Estados Unidos.

Em vez disso, os líderes da França, Grã-Bretanha, Alemanha e Itália concordaram que cada governo deve agir de acordo com seus meios, mas em coordenação com outros países da União Européia.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse, no sábado, que os países da União Européia devem cooperar entre si para enfrentar a crise e evitar tomar, em seus países, medidas que possam causar problemas para outros integrantes do bloco.

Leia mais sobre: crise financeira

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.