Alba apoia Cuba e questiona a OEA

Os presidentes da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba) deram todo apoio a Cuba e questionaram intensamente a Organização de Estados Americanos (OEA), horas antes da inauguração da Cúpula das Américas, em Trinidad e Tobago.

AFP |

Reunidos na cidade venezuelana de Cumaná, às margens do Mar Caribe, os governantes, que se identificam como anti-imperialistas, prometeram examinar o fim do embargo dos Estados Unidos a Cuba e exaltaram a "dignidade" da ilha.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, anfitrião do encontro e principal propulsor da Alba, anunciou que seu país, junto a outros que não identificou, vetará a declaração final da Cúpula de Port of Spain, a qual classificou de "totalmente deslocada no tempo e no espaço".

A cúpula da Alba, que coincidiu com o 48º aniversário da invasão à Baía dos Porcos, em Cuba, lançada por exilados anticastristas armados pelos Estados Unidos, serviu para criticar a exclusão da ilha da OEA, em 1962.

O presidente cubano Raúl Castro foi muito aplaudido quando declarou que a OEA "debe desaparecer" e que seu país não tem interesse e retornar a esta instância.

Já o presidente boliviano Evo Morales disse que, por ser marxista-leninista, gostaria de ser expulso da OEA e propôs uma comissão de direitos humanos da Alba.

Morales também apresentou um projeto de resolução para exigir a suspensão do embargo a Cuba, que os presidentes devem aprovar nesta sexta antes de viajar juntos para Trinidad Tobago.

A Alba foi criada em 2004 por Cuba e Venezuela para contrapor a Área de Livre Comércio para as Americas (Alca), impulsionada por vários países latino-americanos e Estados Unidos.

nn/cn/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG