Lima, 3 ago (EFE).- O presidente do Peru, Alan García, defendeu hoje, em carta pública, a proposta para que metade do Congresso seja renovada no meio de cada legislatura, reforma que, acrescentou, poderia ser aprovada num plebiscito.

Na carta, enviada ao jornal "Correo" em resposta às críticas da publicação a um discurso feito pelo chefe de Estado em 28 de julho, García defendeu algumas de suas propostas.

"Esta será uma reforma difícil de ser aprovada no próprio Congresso, e isso é compreensível. Por isso, minha sugestão é fazer um plebiscito convocado, naturalmente, com a coleta de 1,5 milhão de assinaturas de cidadãos, que tenho certeza que conseguirão ser obtidas", destacou o presidente peruano.

García acrescentou que a medida servirá para diminuir "as tensões que se acumulam ao longo de um mandato de cinco anos". E, "em nenhum caso, ela desestabiliza o sistema. Pelo contrário, o vincula diretamente à opinião da população", acrescentou.

Às críticas de que a renovação do Congresso na metade de cada legislatura não é algo característico dos Governos presidencialistas, o chefe de Estado peruano respondeu que "isso não é verdade", já que este sistema é adotado "no país mais presidencialista da Terra, os Estados Unidos".

García também aproveitou a carta para ressaltar outros aspectos que considera importantes dentro de uma eventual reforma do Estado peruano, entre estes o impulso no processo de descentralização e a possibilidade de o voto nas eleições ser voluntário.

"A reforma fundamental é a descentralização regional já iniciada e que deve ser aperfeiçoada", destacou o chefe de Estado. EFE fcg/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.