Alan García acredita que Evo Morales ataca o Peru por ordem de Hugo Chávez

Lima, 2 jan (EFE).- O presidente peruano, Alan García, reiterou hoje que os problemas com a Bolívia são ideológicos e ressaltou que para ele parece que o colega boliviano, Evo Morales, constantemente ataca seu país por ordens do governante venezuelano, Hugo Chávez.

EFE |

Em entrevista à "Rádio Programas del Perú (RPP)", o presidente García disse que apesar de seu "amigo" Hugo Chávez "já não pode intervir" em assuntos internos do Peru, a ele "parece que tivesse delegado esse papel a um Governo mais próximo", em referência à gestão de Evo Morales.

Com suas declarações, o presidente peruano fazia alusão ao aberto apoio de Hugo Chávez, ao candidato nacionalista Ollanta Humala, nas eleições presidenciais de 2006, vencidas por García.

Chávez e o também candidato presidencial dessa época, Alan García, se envolveram em uma troca de desqualificações e insultos que gerou uma crise diplomática.

García informou hoje à "RPP" acredita que as intervenções de Chávez "não devem continuar e não prevê nenhuma interferência nesta eleição (presidencial de 2011) como a de 2006".

O chefe do Estado peruano disse desconhecer as razões da suposta ira do presidente Morales contra seu país, "quando o melhor negócio seria utilizar os portos e as estradas peruanas para integrar toda a parte nordeste boliviana que está desligada do restante da Bolívia".

"Eu não sei por que não aproveitam isso, se o Peru é um país aberto, irmão e amigo", contou Alan García, após afirmar que os problemas com a Bolívia são pequenos e não afetam o país porque suas relações bilaterais comerciais e econômicas não são significativas.

As relações diplomáticas entre Peru e Bolívia passaram por momentos de tensão nos últimos 12 meses devido às declarações de ambos os líderes sobre os temas pendentes que os dois países têm com o Chile.

Além disso, se complicaram pelo asilo e refúgio dado em Lima a três ex-ministros bolivianos e outras divergências políticas, que em algumas ocasiões deram origem a graves trocas de insultos entre os dois líderes.

Com relação ao Chile, o presidente García confia na abertura de um novo capítulo na relação com esse país, após a eleição do novo Governo.

Mas García admitiu que a reivindicação apresentada pelo Peru em 2008 na Corte Internacional de Justiça de Haia para delimitar a fronteira marítima comum afetou a relação bilateral.

O presidente García assinalou que as relações com o Equador não devem "melhorar", com a Colômbia são boas e acrescentou que com o Brasil, o objetivo é formar uma aliança para construção de hidroelétricas e vender no futuro energia aos países da região, entre estes o Chile. EFE watt/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG