Al Qaeda reivindica assassinato de 28 militares do Mali e captura de outros 3

Cairo, 8 jul (EFE).- O grupo Al Qaeda para o Magrebe Islâmico (AQMI) reivindicou o assassinato de 28 militares do Mali e a captura de outros três no sábado passado, em comunicado divulgado hoje em um site usado frequentemente por grupos islamitas.

EFE |

A nota aponta que o fato ocorreu "depois que os 'mujahedin' (guerreiros santos) recebessem a informação e que um comboio do Exército de Mali, dirigido pelo oficial Hema Wild Mohammed Yehia, iria atacá-los em Al Wasri", no norte do país africano.

Segundo o comunicado, cuja autenticidade não pôde ser verificada independentemente, um duro confronto ocorreu quando os membros da Al Qaeda interceptaram o comboio e mataram 28 militares, entre eles Yehia.

Para a AQMI, esta incursão faz parte de sua resposta à "guerra" lançada pelo Exército de Mali depois do assassinato em 31 de maio do cidadão britânico Edwen Dyer, sequestrado pela organização no início deste ano no Níger, perto da fronteira com o Mali.

O grupo terrorista também chamou o ataque de "tapa na cara" do Governo do presidente malinês, Amadu Tumani Touré, de seu Exército e de seus oficiais. EFE nq/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG