Al Qaeda assume assassinato de americano na Mauritânia

Cairo, 25 jun (EFE).- A organização terrorista Al Qaeda para o Magrebe Islâmico (AQMI) reivindicou hoje o assassinato na terça-feira passada de um cidadão americano no centro de Nuakchott, capital da Mauritânia, segundo a rede de TV Al Jazira.

EFE |

Segundo o site do canal de TV catariana, Al Qaeda afirma em mensagem de áudio, cuja autenticidade não pôde ser comprovada, que matou o cooperante Christopher Logest, de 48 anos, por "atividades de evangelização".

O homem, que trabalhava para a ONG International World Vision, foi assassinado a tiros no centro da cidade na terça-feira passada às 4h (Brasília).

Na mensagem, o AQMI promete ao presidente dos EUA, Barack Obama, "fazer mais operações do tipo" contra seu Governo, já que considera que "segue as mesmas políticas" de seu antecessor, George W. Bush.

Além disso, o grupo terrorista exige aos cidadãos de Marrocos e Mauritânia que se unam à Jihad (guerra santa) contra o que chama de "campanha cruzada" e pede apoio para suas operações na região.

Em dezembro de 2007, quatro turistas franceses foram assassinados por radicais islâmicos perto da cidade de Aleg, a 255 quilômetros do sudeste de Nuakchott.

Após a tensão desencadeada pelo ataque, foi suspenso o Rali Dacar que tradicionalmente atravessava o país. EFE hh/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG